Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini

Estados que ainda não atingiram a meta de vacinar 90% dos grupos prioritários contra a influenza (H1N1, H3N2 e influenza B) poderão continuar imunizando a população até 30 de junho. No Rio Grande do Sul, a cobertura vacinal foi de 66,42% do público-alvo estimado em 5.069.591, com 3.367.042 doses aplicadas em todos os grupos prioritários. A vacinação contra influenza tem por objetivo a redução do número de complicações, internações e índice de mortalidade decorrentes das infecções pelo vírus da gripe, nos grupos-alvo definidos, em especial frente à pandemia de coronavírus.

A recomendação é que as doses disponíveis nos municípios continuem sendo destinadas aos grupos prioritários:

  • pessoas de 60 anos ou mais
  • trabalhadores da saúde
  • profissionais das forças de segurança e salvamento
  • pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais
  • adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas
    • população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional
  • caminhoneiros
  • motoristas e cobradores de transporte coletivo
  • portuários
  • povos indígenas
  • crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade
  • pessoas com deficiência, gestantes e puérperas até 45 dias
  • adultos de 55 a 59 anos de idade
  • professores das escolas públicas e privadas