Monja Coen é natural de São Paulo. Foto: Divulgação
Palestra no Sesc Gravataí. Foto: Revista Evidência

Muitos gravataienses ouviram e refletiram sobre questões relacionadas à felicidade, na palestra realizada pela monja Coen Roshi, na noite de quinta-feira (10/10), no Teatro do Sesc. A apresentação integra o circuito Conexão de Ideias 2019. Esbanjando simpatia, a palestrante utilizou situações cotidianas para exemplificar como o comportamento da sociedade precisa ser revisto em alguns aspectos. Entre hábitos que comentou: a falta de diálogo entre as pessoas, mais preocupadas, muitas vezes, em ficar no celular; a despreocupação em tratar os outros com cordialidade e gentileza; o costume de criticar alguém sem considerar o porquê age de tal forma; a atenção e apoio necessários a quem enfrenta a depressão. A monja, que defende a cultura da paz, concluiu a apresentação aconselhando que todos reflitam sobre as coisas que trazem felicidade ao dia a dia e busquem evoluir sempre na forma de pensar e agir.

A monja

Ordenada em 1983, a Monja Coen, que é natural de São Paulo viveu 12 anos no Japão, onde se dedicou a estudos e práticas. Atualmente é missionária oficial da Tradição Sotoshu de Zen Budismo. Retornou ao Brasil em 1995 e dois anos depois foi a primeira mulher e primeira pessoa de origem não-japonesa a assumir a presidência da Federação das Seitas Budistas do Brasil, cargo que exerceu por um ano. Já atuou como jornalista e lançou alguns livros.