Na manhã deste sábado (15/6), tradicionalistas de Gravataí reuniram-se na Câmara de Vereadores para reivindicar, junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o reconhecimento do Tiro de Laço como patrimônio imaterial do Brasil. O evento foi coordenado pelo secretário municipal da Governança Comunitária, Acimar Silva, que representava o prefeito Marco Alba.
 
O secretário salientou que o encontro representa um ato concreto em benefício da manutenção de um autêntico patrimônio gaúcho. "Queremos que esta proposta chegue a Brasília, reconhecendo a cultura e as tradições do nosso Estado”, afirmou. Já a diretora-presidente da Fundação Municipal de Arte e Cultura, Fernanda Batista de Fraga, enfatizou o quanto os gaúchos são orgulhosos da identidade que possuem e buscam preservar as tradições de práticas e costumes passados de geração em geração.

A ação de Gravataí foi exaltada pelo fundador da Federação do Laço do Rio Grande do Sul, Cleber Vieira, que há 50 anos luta pelo reconhecimento do “laço” como tradição gaúcha. Vieira, que também é presidente da Associação dos Tradicionalistas do RS e representante da Fundação Teixeirinha, afirmou que a iniciativa de tornar o Tiro de Laço patrimônio nacional só poderia vir de uma cidade como Gravataí, que cultua e respeita as tradições gaúchas.

Entre os demais presentes no evento estavam o secretário municipal da Agricultura e Abastecimento, Dario Blehm, os vereadores  Clebes Mendes, Alemão da Kipão e Roberto Andrade, o representante da Associação dos Moradores do Banhado do Gravataí, Cláudio Vargas, o locutor e radialista Lairtom Salles Pinheiro – o Marreca, o laçador e autor de estudos sobre as manifestações gaúchas Eduardo Fonseca Alves, os laçadores Ricardo Souza, Fábio Silveira, Fábio Vargas, Osvaldo Pacheco e Fernando Zandonai, tradicionalistas e comunidade.

Fonte: Site da prefeitura de Gravataí/Fundação de Arte e Cultura

Créditos destaque: Marilene Zandonai/Comunicação PMG