Assunto durante toda a semana, o cancelamento da peça teatral A Paixão de Cristo, encenada desde 1999 com recursos do município, é cercada de diferentes opiniões. O coordenador da Companhia de Atores Independentes, grupo que produz o espetáculo, Paulo Adriane, já busca recursos próprios para viabilizar a apresentação, que ocorreria nos dias 3, 4 e 5 de abril.

O cancelamento decorreu do apontamento feito pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Ministério Público (MP) por haver irregularidades nos contratos anteriores e pela Lei que exige licitação em projetos culturais que ultrapassam R$ 80 mil. A Paixão de Cristo, mesmo após redução de custos no orçamento inicial no valor de mais de R$ 300 mil, chegou ao custo aproximado de R$ 220 mil.

Diante dos acontecimentos, a peça está cancelada. A Prefeitura vê como alternativa realocar a verba destinada à apresentação para melhorias no Cine Teatro Municipal.

Linha do tempo da controvérsia

Na quinta-feira (08/03), dia da assinatura do contrato, Paulo Adriane diz ter sido comunicado da suspensão  por ser necessária abertura de licitação;

No domingo (12/03), ainda esperançosa sobre a reversão do quadro, a Companhia realizou ensaio geral com os mais de 80 envolvidos;

Na quarta-feira (14/03),   o grupo de atores protestou em frente ao prédio da Prefeitura. Adriane alega que decisão foi avisada sem tempo hábil de agir em prol da realização da peça;

No próximo domingo (18/03), a Companhia pretende fazer um manifesto no Parcão da 79, e na terça (20), na Câmara de Vereadores.

 

Fonte: Revista Evidência
Foto destaque: Divulgação/ PMG