A Campanha do Agasalho de Cachoeirinha segue arrecadando peças. A Secretaria de Cidadania e Assistência Social (SMCAS) fez a entrega, juntamente com os alunos do Projeto Pescar, de duas mil peças de roupa a moradores da Vila da Paz. A doação foi realizada na rua 4, na sede da AFERFF – Associação Feminina Resgatando Fundamentos Familiares.

A titular da SMCAS, Isabel Medeiros, explica que foram distribuídas 100 senhas aos moradores alguns dias antes, para organizar o momento da entrega. “Pretendemos fazer outras duas doações nesta região, nos bairros Jardim Vitória e Jardim Conquista”, disse. Isabel também comemora o número recorde de peças arrecadadas em tão pouco tempo de campanha. “Estimamos bater o número do ano passado, que foi de mais ou menos 20 mil peças. Até agora, chegamos em 10 mil, sendo que a campanha vai até o dia 22 de setembro”, destaca.

Os alunos do Projeto Pescar não somente se emprenharam na arrecadação dos agasalhos, como também participaram da entrega aos moradores da Vila da Paz. A aluna Marcela Nunes do Santos contou que adora ajudar as pessoas e que fazer a doação direta a quem precisa é gratificante. “Nós conseguimos bater a nossa meta de arrecadar duas  mil peças de roupa. Então estamos muito felizes”, disse a estudante.

Os moradores já estavam desde cedo aguardando a liberação para escolher as peças, que teve início aproximadamente às 10h. A moradora Elenice de Abreu Rodrigues pegou roupas para ela, o marido e os filhos de 10 e 8 anos. “Vai me ajudar bastante”, afirmou. O morador Atalíbio Tavares contou que mora sozinho e, por isso, só levaria roupas para si. “Bom é que tem estes meninos para nos ajudar com as peças, com os tamanhos e tudo mais”, elogiou o senhor de 58 anos, referindo-se aos alunos do Projeto Pescar.

A dona de casa Adriana Medianeira Rodrigues, 40 anos, mora com o marido e cinco filhos, de 3, 8, 10, 16 e 19 anos, na Vila da Paz. O casal ainda tem outros quatro filhos, que já não moram mais com eles, e quatro netos. A família mora em uma casa simples, com dois quartos pequenos e sem água encanada. A luz é fornecida irregularmente, através de uma ligação com a energia elétrica do vizinho. “Quando chove é bem difícil, entra água dentro de casa, pois o telhado tem buracos. Também alaga a entrada da nossa casa”, conta Adriana.

Por vezes, os poucos rendimentos da família, o marido trabalha na transportadora Cometa e os dois filhos mais velhos como auxiliares na construção civil, mal suprem os gastos com alimentação e gás. Dinheiro para comprar roupas para sete pessoas seria algo bem além dos recursos financeiros da família de Adriana. “É muito importante para nós essas doações. Ainda mais para as crianças, que cada um tem um tamanho. E eles precisam bastante para ir à escola e tudo mais”, diz a dona de casa.

Fonte: www.cachoeirinha.rs.gov.br

Créditos destaque: Reprodução/ Site da Prefeitura de Cachoeirinha