Foto: Alessandro Kroth

A Evidência trouxe um colorido especial à 52ª edição, de setembro de 2002. Azul, verde, amarelo, vermelho e rosa predominaram na capa que remetia à alegria das crianças e ao futuro que as esperava. Passados 18 anos, os sonhos, os objetivos, as formas de encarar a vida podem ser diferentes, mas aqueles meninos e meninas ainda preservam o desejo de que o caminho pela frente seja repleto de felicidade, amor, amizades e aprendizado. Das 12 pessoas que estamparam a capa naquela época, nove se reencontraram recentemente para uma nova edição, alusiva ao Dia das Crianças e aos 35 anos da Revista. 

Saudade de outros tempos

Foto: Alessandro Kroth

A experiência de participar da produção de uma capa de revista ao lado de outras crianças foi divertida para Jéssica Larre da Silva (27), que teve a oportunidade de mostrar a edição 52 aos filhos, Matheus (10) e Pedro Henrique (3). Proprietária do espaço Bella Unha, a nail designer ressalta que ter formado uma linda família ao lado do auxiliar de Logística Diego Tavares (32) foi uma bênção e a fez amadurecer cedo. É por eles que está sempre determinada a lutar e encoraja a todos a serem otimistas. “Acredite em si, acredite em seus sonhos. Somos tão grandes e fortes! A vida não e fácil, mas podemos melhorar. Com amor, paz e perseverança tudo pode acontecer.”

Jéssica revela que teve uma infância maravilhosa e lamenta que, nos dias de hoje, os hábitos da garotada sejam bem diferentes da sua época. “Tive o privilégio de brincar muito e sempre ter muitos amigos, alguns até hoje. Não existia essa coisa de celular e internet. As brincadeiras eram incríveis e saudáveis. Saudades disso! Gostaria que meus filhos pudessem ter a mesma infância que eu tive, porém os tempos são outros.”

Conciliando estudos e diversão

Foto: Alessandro Kroth

Um grupo de crianças, um dia de brincadeiras: sinônimo de muita diversão! É dessa forma que Vinicius Scrinz (21) se lembra da ocasião em que foram produzidas as fotos para a edição publicada há 18 anos. Ele conta que teve uma infância muito divertida, dividindo sempre a rotina de lazer com os estudos. Atualmente, dedica-se ao curso de Enfermagem e reside em Cachoeirinha, o que não impede de conferir alguns exemplares da Evidência. “É um ótimo meio de atualização e valorização local”, comenta. Na opinião do universitário, é importante aproveitar ao máximo cada momento da vida. E ele fez isso na infância, por isso tem ótimas recordações dessa época. “Quando menos esperamos, os anos passam”, justifica.

Ontem sonhador, hoje realista

Foto: Alessandro Kroth

Uma “infância de verdade”, em um tempo no qual as crianças não eram “reféns” da tecnologia, como hoje em dia, em que é comum o grande interesse por games e celulares. Esse é o comparativo que William Roberto de Jesus Rodrigues (23) faz do passado e do presente vivido pelas crianças. A infância dele foi de brincar na rua, de se divertir ao lado dos amigos. Esses são os momentos que deixam saudade. A lembrança de ter participado da capa, em 2002, também remete a um dia alegre, com muitas brincadeiras. Com o tempo, algumas coisas mudaram; outras não. “Sempre fui muito responsável e isso se manteve. Eu era uma cria

nça muito sonhadora, achava que tudo era possível e fácil. Hoje não sou nada sonhador, me considero frio, pé no chão e realista”, afirma o gravataiense, que é um dos responsáveis pela produção das peças de roupas para a Free Surf.

William revela que um dos fatores que contribuem para o seu crescimento pessoal é morar sozinho e, com isso, depender da própria dedicação e trabalho para conquistar as coisas. Ele também considera fundamental acreditar em dias melhores. “Que nunca percamos a fé em um futuro melhor. Que a gente valorize mais os momentos com amigos e família, que estejamos mais dispostos a conversas reais e menos virtuais. E que todo tipo de amor seja considerado digno de respeito!”