Especialistas em infraestrutura apresentam algumas medidas e sugerem mudanças para evitar problemas futuros e incômodos para os motoristas, em matéria publicada pelo site da Zero Hora (Caio Cigana e Humberto trezzi)

A necessidade de aprimorar os projetos básicos vai de encontro com a falta de visão a longo prazo. Sendo assim, entre as sugestões apresentadas pelos especialistas estão, a exigência de que as empreiteiras assumam a responsabilidade pela manutenção a médio prazo das rodovias que constroem para o poder público, o que não é comum acontecer, e o uso de materiais de melhor qualidade. Uma maneira de prevenção para evitar a deterioração da estrada pouco depois de sua conclusão. Projetos bem feitos, evitam surpresas e previnem consertos inesperados, que dependendo do estado da rodovia, o custo é 10 vezes maior. Foram abordadas também questões como, licenciamento ambiental e a rediscussão do papel da iniciativa privada nas tentativas de desatar o nó da malha rodoviária.

Desafogar o trânsito não é tarefa fácil, e a solução não está somente nas rodovias e sim, incentivar outros modais como hidrovias e ferrovias. Segundo dados obtidos por Zero Hora, 85% das cargas no RS são transportadas por rodovias, o que é considerado acima da média nacional, que é de 58%. Além deste dado, os governos estadual e federal deveriam aplicar o controle de excesso de peso nas estradas, que em alguns postos de pesagem estão abandonados. O plano do governo federal é instalar sensores eletrônicos nas rodovias, mas especialistas afirmam que este não substituirá as balanças.

A relação da parceira público-privada, que causa polêmicas nas questões como, tarifas dos pedágios, localização das praças e poucos investimentos, e a forma de concessão compensa a falta de recursos públicos e a lentidão estatal, sendo assim, o governo gaúcho preferiu não renovar as concessões e criar a Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), que administrará os trechos. Mas há questionamentos sobre o fôlego da empresa pública para investir.

Fonte: Zero Hora

Crédito destaque: Félix Zucco / Agencia RBS