O Museu Municipal Agostinho Martha está promovendo a exposição “Memória da Fotografia”, que segue no local até o fim do mês de dezembro. A mostra faz um traçado da evolução da fotografia, tanto nas técnicas de revelações de imagens, como nas máquinas e acessórios.

Algumas curiosidades fazem parte dessa trajetória, como o “Monóculo”, usado para ver duas minifotos: ele foi fabricado na década de 1960 e eram brindes que os estúdios fotográficos da época forneciam a seus clientes. Também fazem parte deste acervo a “Foto Retocada”, que era batida em preto e branco, mas que era pintada com tinta colorida, e o “Ampliador de Fotografias”, da década de 1970 que pertenceu ao Laboratório Fotográfico da prefeitura. Além disso, a população poderá ver algumas fotos antigas, retratos feitos em eventos sociais, casamentos e imagens produzidas em estúdios.

Da câmera fotográfica mais antiga, feita nos anos 50, até as digitais, populares atualmente, todas as peças fazem parte do acervo do Agostinho Martha e são motivo de orgulho para o diretor do Museu, Getúlio Xavier. “Todo arquivo é doação da comunidade. Algumas das fotos são empréstimos de famílias do município. Nossa intenção foi trazer essa preservação da memória que consiste na foto, mostrar esse material que possui uma cronologia interessante”, destacou.

O diretor do Museu acredita que a imagem é a única forma de provar que algo do passado, realmente aconteceu. Porém, a qualidade do papel fotográfico de hoje em dia, são inferiores aos antigos, o que prejudica a conservação dos mesmos. “Temos uma foto aqui de 1906, além de ter sido bem conservada, o papel que era usado na revelação tinha uma maior resistência”, explicou.

O público poderá conferir a exposição de terça a sexta-feira, das 9h às 17h e aos sábados, das 9h às 13h. O Museu Municipal fica na Rua Nossa Senhora dos Anjos, 541, Centro. Informações: 3484.2733.

Fonte: Prefeitura de Gravataí

Créditos Destaque: Bruna de Bem – SECOM/PMG