A Associação Gaúcha de Radiologia apoia a causa de prevenção ao câncer de próstata, que é um dos tipos mais frequentes no homem. O trabalho de radiologistas pode ser fundamental para contribuir em alguns cenários, tanto no diagnóstico como no estadiamento e acompanhamento dos pacientes.

“Em técnicas modernas como a ressonância magnética (RM) multiparamétrica (onde é feito o estudo específico da próstata) podemos contribuir, principalmente, em um paciente com suspeita clínica de câncer de próstata e biópsia negativa, ou para o estadiamento de um câncer de próstata já diagnosticado para estratificar qual o estágio da doença e propor um melhor tratamento baseado nesse estadiamento", explica o vice-presidente de Ressonância Magnética, da Associação Gaúcha de Radiologia, Gustavo Luersen

Em alguns casos, a RM pode contribuir para aumentar a precisão no procedimento da biópsia. São casos nos quais existe a suspeita clínica, porém a biópsia não confirma o tumor. Através da localização de áreas suspeitas para câncer pela RM, a biópsia guiada pela imagem consegue chegar com maior precisão na posição do tumor numa nova biópsia, que pode confirmar ou não a suspeita.

Um aspecto importante, também, é a definição da agressividade do câncer. A RM pode ajudar a definir esta agressividade, contribuindo para diferenciar os pacientes de alto ou baixo risco e, com isso, melhorar a indicação do tratamento adequado.

"Existem tumores de próstata que são mais agressivos que outros. Em tumores menos agressivos, especialmente numa população mais idosa, por exemplo, determinados tratamentos podem causar mais danos, como incontinência urinária e impotência, que vão piorar a vida do paciente, do que apenas vigiar ativamente estes pacientes. Em tumores mais agressivos, um tratamento definitivo deve ser a opção, sempre que possível", completou o médico.

O Novembro Azul é uma iniciativa mundial que promove a prevenção ao câncer de próstata.

Fonte: PlayPress Assessoria de Imprensa

Créditos destaque: Agência Brasil – EBC – Próstata