Até as 18h da última segunda-feira (16/01), 81.174 gaúchos haviam se cadastrado no Programa Universidade para Todos (ProUni), colocando o Rio Grande do Sul como o quinto estado com maior número de inscrições.

Em todo o Brasil, foram 1.202.411 inscrições realizadas por 630.001 candidatos. Cada estudante tem a opção de concorrer em até duas opções de curso, por isso o número de inscrições é quase o dobro do número de inscritos. Os estados com maior número de inscrições é São Paulo (244.553), seguido por Minas Gerais (140.571), Rio de Janeiro (82.956) e Bahia (82.401).

A oferta para o primeiro semestre de 2012 é de 195.030 bolsas, sendo 98.728 integrais e 96.302 parciais, de 50% da mensalidade, em 1.321 instituições de ensino superior particulares, entre universidades, centros universitários e faculdades de todo o Brasil.

Confira o calendário do ProUni

14/01 a 19/01 – Período de inscrições

22/01 – Divulgação da primeira chamada

23/01 a 01/02 – Comprovação de documentos junto à universidade

07/02 – Divulgação da segunda chamada

15/02 – Comprovação de documentos junto à universidade

22/02 a 24/02 – Manifestação de interesse na lista de espera, para aqueles que não foram selecionados em nenhuma das duas chamadas

27/02 – Divulgação de terceira chamada (candidatos na lista de espera)

28/02 a 02/03 – Comprovação de documentos junto à universidade

09/03 – Divulgação de quarta chamada (candidatos na lista de espera)

12/03 a 15/03 – Comprovação de documentos junto à universidade

Critérios
Podem se candidatar às bolsas integrais estudantes com renda familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio (R$ 933,00). As bolsas parciais são destinadas a candidatos com renda familiar de até três salários mínimos (R$ 1.866,00) por pessoa.

Além de ter feito o Enem 2011, com um mínimo de 400 pontos na média das cinco notas do exame e pelo menos nota mínima na redação, o candidato deve ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou, em caso de escola particular, na condição de bolsista integral.

Professores da rede pública de ensino básico que concorrem a bolsas em cursos de licenciatura, curso normal superior ou de pedagogia não precisam cumprir o critério de renda, desde que estejam em efetivo exercício e integrem o quadro permanente da escola na qual atuam.

Fonte: G1

Créditos Destaque: sxc.hu