A construção da RS-010, projetada para fazer a ligação entre Cachoeirinha e Sapiranga, está novamente no centro das discussões do Palácio Piratini. Hoje (16/11), em dois momentos, o novo projeto de construção da rodovia elaborado pela Odebrecht, em parceria com a Associação dos Prefeitos da Grande Porto Alegre (Granpal), será discutido com representantes da empreiteira.

A intenção do governo é definir o posicionamento diante da Parceria Público-Privada (PPP) até o final do ano, projetando o início das obras ainda em 2012. O Secretário de Infraestrutura e Logística, Beto Albuquerque, afirmou que o atual projeto de construção da RS-010 é melhor do que o apresentado no governo de Yeda Crusius, que já havia elaborado uma proposta. Ele argumenta que o percurso da estrada aumentou de 66 para 97 km, com a inclusão de mais acessos municipais e ligações entre rodovias e viadutos. As praças de pedágio foram reduzidas de três para duas. Contudo, as parcelas anuais de R$ 75 milhões, inicialmente fixadas em R$ 77 milhões, que o estado terá que pagar à empresa vencedora da licitação ao longo de duas décadas, estão mantidas.

Somadas, as prestações representam a devolução da quantia de R$ 1,5 bilhão que a empreiteira contratada investirá para construir a rodovia em seis anos. O lucro dos investidores deverá vir dos 35 anos de exploração das praças de pedágio, que também irão financiar a manutenção da RS-010.

O presidente da Granpal, prefeito Jairo Jorge (PT), destacou que, em relação ao projeto de Yeda, a tarifa do pedágio para atravessar toda a extensão da rodovia foi reduzida de R$ 7,20 para R$ 6,60. "A proposta mudou para melhor. Temos que avaliar tecnicamente, sem qualquer chilique. O custo de um financiamento com o BNDES para construir a estrada seria maior do que com uma construtora. Já fizemos essa conta", avaliou Beto.

Fonte: Correio do Povo

Créditos Destaque: Clic Tribuna