O período de altas temperaturas do verão movimenta não apenas as vendas de aparelhos de ar condicionado e ventilação: outros setores iniciam 2014 com vendas aquecidas, segundo a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul – FCDL-RS.

Nos meses de janeiro e fevereiro, o aumento do movimento no comércio gaúcho se concentra em segmentos evidentemente mais acionados em períodos de férias das famílias. Em princípio, parte das férias dos gaúchos é dedicada a pequenas reformas e consertos nas residências. O maior aumento médio de horas trabalhadas no varejo durante o veraneio fica por conta das lojas de material elétrico (29%), vidraçarias (28,8%), peças e acessórios eletroeletrônicos (18%) e lojas de tintas e material de pintura (14%).

Também no verão, o período de folga dos gaúchos é acompanhado por um sensível aumento da leitura e consequente consumo de produtos comercializados em livrarias, que apresenta a alta média de 14,6% das horas trabalhadas.

O aumento do movimento nas rodovias do estado também repercute no emprego dos estabelecimentos que comercializam combustíveis. O aumento das horas trabalhadas neste setor é de 13,7%. Os minimercados tem alta de 13,2%, telefonia e comunicação apresentam 10,3% de aumento e açougues e peixarias também vem registrando alta de 8,7%, especialmente nas praias do Litoral Norte.

Geralmente, no primeiro bimestre do ano, em âmbito estadual, os setores de vestuário e acessórios, artigos médicos e ortopédicos e cosméticos são os que mais reduzem suas horas trabalhadas. Essa redução natural acontece devido à desaceleração das vendas após o período do Natal, onde empregados temporários são dispensados e há maior concentração de férias dos trabalhadores. Mais uma vez, as praias gaúchas se excluem dessa realidade. No caso do litoral, a redução das horas trabalhadas vai ocorrer somente em março, quando os empregos são retomados no restante do Rio Grande do Sul. Os dados são do Departamento de Pesquisa da FCDL-RS.

Fonte: FCDL-RS

Créditos destaque: Marcelo Matusiak