Gregor e Christel moram na Alemanha. Foto: Arquivo Pessoal

Pelo Mundo: Sempre conectados com a nossa Aldeia!

Em seus 35 anos de circulação, a Evidência apresentou, diversas vezes, relatos e fotos de viagens. Em muitas ocasiões, também mostramos a história de quem viveu em Gravataí, mas acabou se mudando para outro estado ou país. Mesmo distantes da Aldeia, vários gravataienses seguem acompanhando as publicações e recordam com carinho dos bons momentos vividos por aqui. Nesta segunda-feira (14/9), iniciamos uma série com a participação de pessoas que fazem parte da história da Evidência e, atualmente, residem em outra cidade.

Lugar especial para a Família Arand

Desde 2015, o aposentado Gregor Arand (72), casado com Christel, mora em Hürth, na Alemanha. Contudo, há quase 20 anos deixou Gravataí, cidade pela qual ainda nutre muito carinho, em especial por causa de seu povo alegre e acolhedor. “Uma vez por ano, visito meu filho Mário (41) e a família dele, além de inúmeros amigos que deixei na cidade e arredores. Minha filha Isabel (39) e meu filho André (42) foram capa da revista em três ocasiões”, conta. Gregor é alemão e revela que decidiu retornar para a terra natal quando a empresa na qual trabalhava passou a enfrentar uma crise. As perspectivas não eram boas, mesmo assim buscou alternativas e encarou a situação com o mesmo otimismo e disciplina com que lida com a pandemia de Covid-19. “Esse momento difícil será superado e tudo voltará à normalidade”, afirma.

Foto: Arquivo Pessoal

Em março deste ano, ele esteve no município e pretende retornar em 2021, se a situação do coronavírus tiver melhorado. Enquanto isso, mantém contato telefônico regularmente com quem reside aqui. Dessa forma e através da internet, fica a par de notícias da região. Acompanha, sempre que possível, a Evidência pelo site, no qual também são disponibilizadas as edições. “Me lembro das primeiras edições dos anos noventa, quando os novos lançamentos sempre causavam muita euforia na cidade, pois nessa época Gravataí era muito menor e não existiam outras revistas nos arredores”, comenta.