Tamires e Alan são candidatos pelo PSOL. Fotos: Yasmin Fernandes Borges e Fernanda Rockenbach

*O conteúdo a seguir faz parte da reportagem sobre as Eleições publicada na Revista Evidência deste mês.

PSOL

Candidata a prefeita

A estudante de Psicologia Tamires Paveglio (26) é natural de Porto Alegre, mas reside em Gravataí desde que tinha oito anos. Ela é casada com Renato Linck de Souza e coordena o programa Emancipa Mulher, que desenvolve ações para o empoderamento feminino.

Candidato a vice-prefeito

Alan Camargo (28) nasceu em Gravataí e sempre morou no bairro Passo das Pedras. É músico e tem um filho, Juan.

Evidência – Em síntese, quais as principais propostas do seu Plano de Governo?

Tamires – “Defendemos um governo que combata os privilégios. Cortaremos 70% dos cargos de confiança e propomos a equiparação do salário da prefeita e vice com o de professores municipais em fim de carreira. Propomos um Orçamento Participativo em que o cidadão defina não só onde colocar asfalto, mas que faça debates profundos nas comunidades, em parceria com os movimentos sociais, cursinhos populares, associações de bairros, através de uma escola de cidadania na qual as pessoas sejam agentes da política no local onde vivem. Propomos um programa de microcrédito municipal que possibilite a geração de emprego e renda, fomentando, assim, o micro, o pequeno e a Economia Solidária. Atingir 100% das crianças na Educação Infantil com vagas nos três turnos.”

Evidência – Se eleita, o que será prioridade já no primeiro ano de mandato?

Tamires – “A retomada da valorização dos servidores municipais. Um prefeito não deve governar de dentro de um palácio, mas estar presente nos bairros. Também serão prioridade a ampliação das unidades de Estratégia de Saúde da Família, a criação de vagas na Educação Infantil, nos três turnos, e a revisão e auditoria de todos os contratos de transporte público dos últimos anos.”

Evidência – Qual o potencial que vislumbra para Gravataí, considerando os efeitos da pandemia de Covid-19?

Tamires – “Gravataí, historicamente, tem a capacidade de se reinventar com uma política de incentivo e fomento à geração de emprego e renda. Em parceria com as comunidades será possível atravessar esse momento.”