O Ministério da Saúde substituirá as gotinhas contra a paralisia infantil pelo imunizante injetável. A dose aplicada com injeção é produzida com o vírus morto, portanto é mais segura.

O governo ainda não tem prazo para o início da transição, mas divulgou informe técnico para as secretarias estaduais de Saúde, alertando para a mudança em 2012.

A vacina oral é feita com o vírus atenuado. Apesar de raro, há o risco de infecção, que provoca a pólio vacinal.

Atualmente, crianças de zero a cinco anos recebem duas doses da vacina. Com o novo método, a imunização será em única etapa.

Fonte: Zero Hora

Créditos Destaque: fsm.edu.br