Zaffalon e Alba na cerimônia de transmissão de cargo. Foto: Luiz Antônio Soares/Especial/PMG

Em seu discurso de despedida, no dia da posse de Luiz Zaffalon e Levi Melo, Marco Alba, que deixa o cargo com uma das maiores popularidades entre os prefeitos do Rio Grande do Sul (85% de aprovação), destacou os principais desafios enfrentados e superados pelos seus mandatos. “O quadro que encontramos em 2013 era desolador. Contraditoriamente, enquanto a cidade se consolidou como a quarta economia do Rio Grande do Sul, e o Município obteve um aumento em seu orçamento de R$ 37 milhões em 1997 para R$ 600 milhões em 2011, em um movimento inverso, nesse mesmo período, as demandas pelos serviços públicos registraram continuados déficits. Produziu-se uma imensa dívida social, afora a defasagem da estrutura administrativa municipal”, ressaltou.

Com a Prefeitura impedida de contratar financiamentos, por constar nos principais cadastros de devedores, como o Cadastro Informativo dos Créditos não Quitados de Órgãos e Entidades Estaduais (Cadin), o desafio era fazer mais com os mesmos recursos. Uma das providências adotadas pelo governo Marco Alba foi determinar a execução orçamentária a partir de um regime de caixa, para estancar o endividamento, que hoje se encontra no patamar de 16% da Receita Corrente Líquida, conforme dados do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS). Em 2013, o endividamento do Município chegava a 56% da Receita Corrente Líquida.

Os números mostram os resultados desse conjunto de ações ao longo dos últimos oito anos. Em 2020, Gravataí alcançou a maior taxa de investimentos da sua história, equivalente a 12% do orçamento. A receita própria saiu de R$ 57 milhões em 2012 para os atuais R$ 162 milhões, ou seja, um incremento de 184%, e o impacto da folha salarial sobre a receita corrente líquida foi reduzido ao seu menor patamar, caindo de 52% para 43%, conforme dados da Secretaria do Tesouro Nacional. Nesse período, a Prefeitura pagou cerca de R$ 450 milhões de dívidas herdadas de gestões passadas. “Ao arrumar a casa, recuperar o crédito e colocar as contas sob controle, a Prefeitura ficou em condições de contratar financiamentos para fazer grandes obras estruturais”, salientou o ex-prefeito. “Só há uma causa que nos une e fez com que estivéssemos aqui hoje: trabalhar e trabalhar incansavelmente para melhorar a vida da nossa população, principalmente daqueles que mais precisam da atenção do poder público.”

Fonte: Prefeitura de Gravataí