Imagem ilustrativa/Freepik

Aproximadamente 200 agentes culturais realizaram o cadastro municipal de Cultura, que busca conhecer a realidade dos trabalhadores do setor em Gravataí. Essas informações servirão como base para programar a utilização dos recursos da Lei Emergencial Aldir Blanc. Segundo a Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer (SMCEL), este domingo (30/8) é a data limite para o cadastramento de agentes e áreas culturais no Mapeamento Cultural.

Sancionada no dia 29 de junho, em homenagem ao artista que morreu, este ano, de Covid-19, a Lei destinará, ao todo, R$ 3 bilhões para os trabalhadores do setor em todo o país, para manutenção dos espaços culturais e outros instrumentos como editais, chamadas públicas e prêmios durante a pandemia de coronavírus. A Lei também prevê a destinação de benefícios emergenciais aos trabalhadores que se encontram impossibilitados de exercerem suas atividades. Para Gravataí, será destinado o valor total de R$ 1,8 milhão. O atual cadastro serve como um mapeamento da quantidade de entidades, artistas e instituições dos mais variados segmentos. Através desse reconhecimento das necessidades, o comitê gestor da Lei Aldir Blanc irá definir como será feito o investimento no município.

Cadastro no Estado

O Estado é responsável pela inscrição e distribuição da renda emergencial para artistas/agentes culturais em três parcelas sucessivas no valor de R$ 600. Os interessados deverão se inscrever neste link.

Mapeamento Cultural de Gravataí

Já o subsídio para manutenção de espaços, pequenas empresas e organizações comunitárias, com os recursos da Lei Aldir Blanc que serão administrados pelo município, pode variar entre R$ 3 mil e R$ 10 mil mensais. Além disso, está previsto custeio de ações de incentivo à produção cultural, como a realização de editais, prêmios, entre outros. As inscrições são feitas no site Mapa Cultural.