Na manhã de ontem (19/03) a Promotoria de Justiça Criminal de Gravataí deu continuidade às ações da Operação Medusa. Foram cumpridos 21 mandados de busca e apreensão e dois de prisão temporária contra policiais civis e militares. A ação tem o apoio do Sistema Integrado de Investigação Criminal (SISCrim), da Corregedoria-Geral da Brigada Militar e da Corregedoria-Geral da Polícia Civil (Cogepol).

Nas buscas, agentes da Cogepol, encontraram armamento irregular nas casas de dois policiais civis. Conforme o delegado Paulo Grillo, nas residências havia quatro revólveres e uma espingarda calibre 12 sem procedência. Os dois foram autuados em flagrante por posse irregular de arma de fogo. Os nomes dos policiais presos não foram divulgados pelas corporações.

A operação que foi batizada de Medusa é coordenada pelos promotores de Justiça André Luis Dal Molin Flores e Rodrigo Carpi Nejar. O nome foi dado devido ao caráter da quadrilha, que agia de forma criminosa em várias frentes.

Continuidade

No dia 05/03, pela mesma operação, cinco pessoas foram presas suspeitas de integrar a quadrilha que fazia remessa de celulares e chips para presidiários, além de importar, alugar e vender armas para criminosos. Durante as investigações, que contavam com escutas telefônicas, os promotores descobriram que integrantes do bando tinham algum tipo de envolvimento com policiais da cidade. Com isso, foi pedida a prisão temporária de dois deles e buscas em casas de policiais civis e militares.

Fonte: MP RS
Foto destaque: Divulgação/ MP