Nesta segunda-feira (25), representantes da Prefeitura de Cachoeirinha, da Câmara de Vereadores e líderes comunitários irão a Brasília, onde devem se reunir com o diretor geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos. O grupo deseja discutir mudanças no próximo contrato de concessão da Free Way. O atual, da Concepa, vence em 2017.

Segundo a prefeitura de Cachoeirinha, a falta de planejamento e articulação política, em 1997, resultaram em congestionamentos da avenida Flores da Cunha. Por dia, a via recebe 172 mil veículos, sendo o caminho escolhido por motoristas que desejam evitar o pedágio de Gravataí.  

Na quinta-feira passada (21), uma audiência pública, coordenada pelo Vereador Marco Barbosa, foi realizada na Câmara de Vereadores de Cachoeirinha. Entre as propostas definidas está a mudança da praça de pedágio de Gravataí:

– Construção de uma via paralela a Free Way, ligando Cachoeirinha e Gravataí;

– Construção de alças de acesso na Avenida Papa João XXIII (Cachoeirinha) e Nutrella (Gravataí);

– Interligação de alça de acesso entre Nutrella (Gravataí) e bairro Umbú (Alvorada);

– Pedágio livre para os veículos com placas dos municípios de Cachoeirinha, Gravataí, Alvorada e Viamão;

– Realocação da praça de pedágio de Gravataí para após a RS-118.

O prefeito Vicente Pires participou da audiência e lembrou que a recente repavimentação executada na avenida Flores da Cunha, em 2011, custou quase R$ 10 milhões. Segundo ele, esse foi um dos reflexos da herança deixada para Cachoeirinha.

Fonte: wp.clicrbs.com.br/estamosemobras/

Créditos destaque: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS (Arquivo)