Foto: Josué Damacena/Agência Brasil

Segundo o Ministério da Saúde, as seis mortes relacionadas ao coronavírus ocorreram no estado de São Paulo (4 mortes) e Rio de Janeiro (2 óbitos). No último boletim divulgado, 621 casos já haviam sido confirmados. As cidades do Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre, além dos estados de Pernambuco, São Paulo e Santa Catarina (sul do Estado – região Tubarão) registram casos de transmissão comunitária, quando não é identificada a origem da contaminação. Com isso, o país entra em uma nova fase da estratégia brasileira, a de criar condições para diminuir os danos que o vírus pode causar à população por meio da prevenção.

Prevenção: se puder, fique em casa!

O isolamento domiciliar de pacientes sintomáticos é a principal medida de redução da transmissão do vírus, além do isolamento das demais pessoas do domicílio. O isolamento seletivo de casos e contatos é a medida mais eficaz até o momento para reduzir a propagação da doença, mantendo o funcionamento de serviços essenciais para a sociedade. Sobre isso, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, fez um apelo aos brasileiros: “Por favor, em casos de gripe, recolham sua família e fiquem em isolamento. Peça o atestado na unidade, dê o nome das pessoas que estão em casa com você e permaneçam todos dentro de casa”.

O secretário Nacional de Atenção Primária à Saúde, Erno Harzheim, explicou as orientações para o isolamento domiciliar. “A partir de hoje, os familiares de pessoas que estão com diagnóstico de síndrome gripal também vão receber, nas unidades de saúde, atestado médico para permanecerem os 14 dias em isolamento domiciliar”, frisou. O distanciamento social vale também para todas as pessoas com mais de 60 anos, que deverão evitar comparecimento ao trabalho ou demais ambientes fechados. A recomendação é sair de casa apenas para atividades essenciais que não possam ser realizadas por outra pessoa.