O mercado de trabalho é muito concorrido. As faculdades e cursos técnicos formam jovens, que acabam entrando nesse meio sem nenhuma experiência. É claro que o estudo é importante, fundamental, mas, em alguns casos, é necessário impressionar a empresa e as pessoas que poderão contratá-lo; para isso, o currículo deve ser algo bem estruturado, com dados relevantes, que consigam passar ao contratante a importância de tê-lo como contratado.

Como fazer um bom currículo?

1 – Cabeçalho

Nesta parte entram as informações mais básicas como nome, idade, estado civil, além de contatos, como seu endereço, telefones e e-mail.

2 – Objetivo profissional

Vem logo depois do cabeçalho e serve para mostrar ao selecionador qual área dentro da sua profissão você tem mais interesse.

3 – Resumo de experiências

Aqui você descreve que tipo de trabalhos já fez e as principais empresas onde trabalhou.  Logo depois coloque suas principais experiências, incluindo os resultados, a organização e o período no qual trabalhou.

4 – Formação

É  preciso informar o nome das instituições de ensino em que estudou, o curso que faz e o e ano de conclusão previsto. É recomendável informar mais de um curso, colocando-os do mais recente para o mais antigo.

5 – Conhecimentos específicos

Se tiver conhecimentos de informática liste resumidamente os softwares dos quais tem domínio. Línguas também entram aqui, nesse caso é bom colocar o nível de fluência tanto de leitura quando de fala.  Não exagere, pois seu domínio de uma língua estrangeira pode ser testado nas entrevistas.

6 – Viagens

Se você tiver feito um intercâmbio é bom incluí-lo no currículo. Pode ser um diferencial em relação aos outros candidatos. Coloque o país,  o motivo da viagem e o ano em que ela aconteceu.

7 – Cursos complementares

Caso tenha feito cursos complementares coloque o nome da instituição e o ano em que fez o curso. Inclua apenas os recentes ou mais importantes para a área que é seu objetivo.

Fonte: R7