Nesta terça (30) e quarta-feira (31) os médicos fazem paralisação para protestar contra medidas do governo federal. Segundo o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), o protesto atingirá apenas os atendimentos agendados, sem urgência.

Uma das reclamações da categoria relaciona-se ao Programa Mais Médicos. O presidente do Simers, Paulo Argollo Mendes, afirma que a entidade pode acionar juridicamente o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em razão do descumprimento de leis do trabalho. “O governo quer contratar médicos por um período de três anos sem direitos trabalhistas, como 13º salário e férias”, explicou.

Apesar de não estar completamente contra a medida, o presidente do Simers questiona a vinda dos médicos estrangeiros. Ele afirmou que a classe médica apenas deseja que os profissionais trazidos do exterior façam a prova de validação do diploma.

Mais investimentos em sáude e mudanças na carreira

Segundo Argollo, a presidente Dilma Rousseff teria mudado o foco das reclamações populares, que eram por mais investimento em saúde. “Não faltam médicos no Brasil, falta é estrutura pra se trabalhar. Queremos que o governo federal invista 10% do orçamento em saúde”, argumentou.

O presidente do Simers também sugere uma nova proposta de carreira para os médicos, similar as de juiz e promotor. Os profissionais seriam selecionados através de concursos públicos e trabalhariam onde o país determinasse. Dessa forma, afirmou, não faltariam médicos no interior.

Fonte: Correio do Povo

Créditos destaque: Sxc.hu