Instituição está sendo construída no bairro Aliança. Foto: Eduarda Narciso/PMG
Foto: Eduarda Narciso/PMG

Na tarde de segunda-feira (17/8), foi realizado o lançamento da pedra fundamental e da cápsula do tempo do Complexo de Educação Especial Irmã Soledade, cujo nome é uma homenagem à Regina Bristot, que faleceu em julho. O local, neste primeiro momento, abrigará a Escola Municipal de Ensino Especial Cebolinha e o Centro de Educação Especial. A previsão de inauguração é no primeiro semestre do próximo ano, e o valor estimado é de cerca de R$ 8,1 milhões. No local também será construído um ginásio poliesportivo e um auditório com capacidade para 120 lugares. A obra está sendo realizada pela MTK Construção Civil Eireli.

A secretária da Educação, Sonia Oliveira, destacou que todos os cerca de 1,3 mil alunos da rede que precisam de algum tipo de atendimento serão contemplados neste novo espaço. A capacidade de atendimento da Escola Cebolinha irá dobrar, passando das 80 vagas atuais para 160. Além disso, os cerca de 1,1 mil alunos que possuem alguma especificidade de ensino poderão receber atendimentos no contraturno de aula, como por exemplo nas salas de recurso e nos consultórios psicológicos. Sonia afirma que, em um segundo momento, a Escola Municipal de Ensino Especial para Surdos (Emees) também se mudará para o complexo. O Complexo de Educação Especial está sendo construído na Rua Divinéia (antigo campo do Ferroviário), no bairro Aliança.

Cápsula do Tempo

Idealizada para ser aberta daqui 20 anos, a cápsula do tempo que será depositada na pedra fundamental do Complexo possui um jornal datado de 17 de agosto, uma peça do uniforme escolar e um caderno, que representa o kit de material escolar entregue para todos os alunos da rede pública de ensino municipal. Além disso, um scrapbook com toda a história do ensino de inclusão da cidade foi depositado, assim como uma carta feita pela secretária Sonia, relatando o momento atual que estamos vivendo, com a pandemia do Coronavírus e uma máscara de pano. A história da Irmã Soledade também foi guardada na cápsula, assim como uma lista de nomes dos alunos atuais da Escola Cebolinha e da Emees e uma miniatura de um instrumento musical, fazendo referência as técnicas utilizadas para um melhor aprendizado deste público.