Em assembleia realizada na tarde de ontem (13/08), agentes da Polícia Rodoviária Federal anunciaram as medidas de protesto referentes à greve que deverá iniciar dentro de 72 horas – no final da tarde de quinta-feira (16/08).

Ficou decidido que os patrulheiros poderão deixar de atender ocorrências leves (as mais comuns, que provocam lentidão no trânsito), reduzir o policiamento ostensivo e a realização de fiscalizações rigorosas em carros de passeio, ônibus e caminhões em pontos estratégicos de estradas movimentadas como a Pelotas-Porto Alegre (BR-116), Uruguaiana-Capital (BR-290) e Canoas-Iraí (BR-386).

As demais manifestações ainda estão sendo estudadas pela federação nacional. Conforme a Assessoria de Comunicação da PRF, o órgão deve se manifestar ainda nesta terça-feira (14/08) orientando motoristas e usuários das BRs a como proceder em relação a acidentes sem feridos, recursos de multas e boletins de ocorrência. Como se trata de serviço essencial, pelo menos 30% do efetivo será mantido, conforme prevê a legislação.

Reivindicações

A categoria exige a contratação de novos policiais (no Estado, há 685 policiais, sendo o previsto de 1.576); reposição das perdas da inflação (de acordo com a categoria, o último reajuste ocorreu em 2010) e reconhecimento do nível superior para o cargo de Policial Rodoviário Federal.

Confira o que a greve prevê a partir de quinta-feira:

– Operações padrões como fiscalização rigorosa em pontos estratégicos;
– Serão suspensas a pesagem, aplicação de multas e o uso de radar;
– Acidentes com vítimas serão atendidos normalmente;
– Não serão prestados serviços burocráticos como fornecimento de boletins de acidente, recursos de multas, etc.

Fonte: Zero Hora
Créditos destaque:Diego Vara/ Agência RBS