Foto: Divulgação/PMG

O mês de março de 2021 tem sido o pior em número de mortes para Gravataí desde o início da pandemia do coronavírus, há um ano. As instalações hospitalares estão superlotadas e o número de mortes subindo em uma proporção que ainda não havia sido registrada. Esta semana, conforme estatísticas do Ministério da Saúde, o município apresenta a média móvel de duas semanas com quatro mortes por Covid-19 ao dia. Até janeiro, a média era de uma morte por dia neste mesmo recorte estatístico de duas semanas. A partir de fevereiro, o número vinha aumentando gradativamente e, em março, deu um salto, expondo o drama que a cidade enfrenta. No início da noite desta quinta-feira (11/3), Gravataí contabilizava 389 óbitos e 14.804 casos da doença.

Segundo o diretor de Urgência e Emergência da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), enfermeiro Leonardo Machado, este é o momento mais crítico pelo qual a cidade está passando. Faz mais de 15 dias que Gravataí não consegue transferir nenhum paciente para leitos hospitalares fora do município pelo Gerint (sistema de gerenciamento de leitos do RS). “Estamos atendendo todos os que buscam por tratamento na estrutura que montamos dentro do município. Aumentamos em 240% o número de leitos na cidade, saltando de 32 para 114. Tudo o que é possível fazer estamos fazendo, mas a doença tem apresentado um quadro mais grave e, infelizmente, tem levado mais pessoas a óbito”, explica. As estruturas relacionadas ao coronavírus estão superlotadas. Além do Hospital Dom João Becker (HDJB), há pacientes nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e no Pronto Atendimento Municipal (PAM) 24H.

Os exemplos de superação

Foto: Thaty Monteiro

Apesar do preocupante dado sobre a média de mortes na cidade, é preciso destacar que a maioria dos pacientes infectados tem se recuperado. Até 10 de março, quando o número de casos chegava a 14.565, 13.463 pessoas já estavam recuperadas, o que representa 92,43% do total de confirmados. Em recuperação, ainda estavam 731 pacientes (5,02% dos confirmados). Manoel Moisés Rocha Monteiro, de 67 anos, é um exemplo de quem venceu a Covid-19. Obeso e tratando, há alguns anos, comorbidades como hipertensão e trombose, Moisés foi diagnóstico com Covid -19 e há cerca de 12 dias começou a árdua luta para sobreviver ao vírus. A filha, Thaty Monteiro, explica que ele ficou no Hospital de Campanha de Gravataí por aproximadamente 30 horas, até ser disponibilizado um leito com cama no Pronto Atendimento 24 horas.

O paciente tinha muita falta de ar e as tomografias demonstravam que ele estava com 70% dos pulmões comprometidos. Então, havia necessidade urgente de ele estar com o auxílio do oxigênio. A filha explica que foram dias tensos. Moisés é pai de quatro filhos. ”De repente, nos vimos numa situação de impotência e sem saber se conseguiríamos vê-lo novamente. Mas nos agarramos na fé e na certeza que Deus estava no controle e que tudo acabaria bem”, contou Thaty. Diariamente, ele apresentava melhora do quadro e agora teve alta.  “Meu pai venceu a Covid-19”, comemora a filha.

*Informações da Prefeitura de Gravataí