Foto: Gustavo Veiga

“Quando a gente escolhe um lugar para viver, esta relação é profunda. Foi escolha e não obra do acaso”, argumenta o prefeito eleito Luiz Ariano Zaffalon (67) ao destacar as razões que tornam Gravataí um lugar especial para toda a sua família. Natural de Capão do Leão, Zaffa, como é conhecido, reside em um sítio, na zona rural do município, há três décadas. A cidade que escolheu para morar é também o local que lhe permitiu consolidar a trajetória política. Antes de iniciar a caminhada como candidato à Prefeitura, esteve à frente de várias secretarias municipais, o que lhe permitiu conhecer ainda melhor a região. “Gravataí, sendo a quarta economia do Estado, tem potencial para crescer, se modernizar e melhorar muito a vida da sua gente. O jeito de governar que nós implantamos resgata qualidade de vida e pessoas. No Loteamento Breno Garcia, resgatamos de uma vida dura e sem futuro quase 10 mil pessoas que, hoje, têm uma casa pra chamar de sua. Trazer investimentos cria empregos e dignidade. Quem entra na política para buscar a felicidade, encontra em Gravataí este potencial. Mudar a forma de fazer política aqui é a minha grande realização como homem público.”

Zaffalon foi eleito tendo ao seu lado, como vice-prefeito, o médico Levi Lorenzo Melo (55). Eles obtiveram 57.659 votos, o que representa 51,12% do eleitorado que compareceu às urnas, no dia 15 de novembro, e contaram com o apoio do atual prefeito, Marco Alba, na campanha. Segundo o novo chefe do Executivo Municipal, que irá assumir em janeiro, a gestão dará continuidade aos trabalhos desenvolvidos nos últimos anos. “Vamos preservar o modelo de governo que implantamos em 2013, com destaque na manutenção de uma gestão fiscal que mantenha superávit para investir nas coisas que a cidade necessita, gastar com a máquina pública menos que arrecadamos e manter uma taxa de investimentos para continuar mudando Gravataí, além de melhorar a saúde, principalmente para a zona da Caveira, onde não temos atendimento após as 18h. O emedebista salienta que a ampliar o horário de atendimento será muito importante na região.

Em entrevista à Evidência, Zaffa revelou que uma das marcas que pretende deixar na administração da cidade é a realização de obras de saneamento nas regiões mais pobres, o que traria mais qualidade de vida para a população. Apesar dos planos de manter projetos e iniciar novas ações em benefício do município, o prefeito eleito aponta que, nos próximos dois anos, Gravataí enfrentará problemas de caixa por conta da pandemia de Covid-19. “Teremos que usar todo o conhecimento adquirido na gestão de crises, como aquela de 2012, quando herdamos dívidas, falta de crédito e perspectivas.” O ex-secretário municipal ressalta que os impactos da pandemia causaram prejuízos, porém há boas perspectivas. “Tivemos perdas de aproximadamente R$ 100 milhões. O Governo Federal ajudou com a metade, para pagarmos a partir de 2021, e a nossa eficiente gestão fiscal fez o resto, para mantermos salários e serviços em dia. Gravataí tem todas as ferramentas legais e de estrutura disponíveis para trazer investimentos”, frisa, acrescentando que frequentemente são anunciados novos investidores. “O Zaffari na 62 foi o último; novos estão na fila. Nunca perdemos um investimento. Com a Lei da Liberdade Econômica e novas estruturas que iremos criar, vamos melhorar este tema e trazer novos investimentos para Gravataí. Temos uma excelente posição geográfica e dotamos a cidade de ótima estrutura de mobilidade e excelentes indicadores econômicos/financeiros. Isto é tudo que o investidor avalia na hora de decidir onde colocar seu dinheiro”, completa.

Biografia

Luiz Zaffalon é casado com Marlene, tem duas filhas, Joanna e Raquel, e uma netinha, Flora. Ele é formado em Eletro e Telecomunicações e em Sociologia. Começou a trabalhar aos 15 anos e na década de 70 entrou na Companhia Riograndense de Telecomunicações (CRT). Por dez anos se dedicou à iniciativa privada, com passagens pela Telefônica de Espanha, Brasil Telecom, Telsul e Ericsson do Brasil. Entre 2009 e 2010 foi diretor-presidente da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan). Em Gravataí, comandou secretarias municipais como Governo, Habitação e Saneamento, Fazenda, Administração e Recursos Humanos, Governança e Comunicação. Também presidiu a Fundação Municipal de Meio Ambiente (FMMA) e foi coordenador do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CODES). Coordenou a execução dos Planos de Saneamento Básico e de Gerenciamento de Resíduos Sólidos.

Votação por candidato

Nas eleições de 2020, seis candidatos concorreram a prefeito(a) de Gravataí. Além de Zaffalon, da coligação Gravataí não pode parar (MDB, Republicanos, PP, PSL, PTB, PSDB, PSB e PRTB), o pleito contou com candidaturas de Dimas Costa (coligação Toda força para Gravataí, que reuniu PSD, DEM, PV, Patriota, DC, Solidariedade e PROS), Anabel Lorenzi (coligação A esperança que vem do povo, composta pelo PDT, Avante e PCdoB), Tamires Paveglio (PSOL), Jairo Carneiro (PT) e Claiton Manfro (PL). Dimas foi o segundo mais votado (35.623 votos / 31,58%). Na sequência, Anabel (13.181 votos / 11,69%), Tamires (3.026 votos / 2,68%), Jairo (2.038 votos / 1,81%) e Claiton (1.264 votos / 1,12%).

Saúde, Educação e Segurança

Na entrevista concedida à Revista Evidência, o prefeito eleito salientou algumas das principais medidas que pretende tomar em áreas prioritárias como Saúde e Educação. Também explicou que a Segurança, embora seja uma missão do Governo do Estado, continuará recebendo atenção. Mais tecnologia, treinamento e equipamentos serão metas da gestão, que pretende valorizar e qualificar a Guarda Municipal. Na Saúde, Zaffa conta que as principais ações serão voltadas à humanização do atendimento. “Vamos melhorar o sistema de agendamento de consultas e ajudar no que for possível nos planos da Santa Casa de ampliar o nosso hospital, seja no espaço e criação de leitos como na inclusão de novos serviços à população. Desde 11 de novembro, já temos aqui atendimento ‘de primeira’ em Cardiologia”, comenta.

Quanto à Educação, o emedebista conta que o Governo Municipal continuará tentando atender a demanda em escolas infantis. “Iniciamos nosso Governo em 2013 com 3.800 vagas e com 4.000 na fila. Construímos 4.200 novas vagas e hoje existem novas 4.000 na fila. Ou seja, vamos continuar buscando atender a demanda com novas construções e com compra de vagas na rede privada.” As alterações decorrentes da pandemia no que se refere às aulas devem permanecer em vigor até que se tenha uma vacina e/ou o coronavírus não represente mais risco. Zaffalon explica que os conteúdos continuarão sendo entregues aos alunos e a recuperação posterior será discutida com a comunidade escolar e o Conselho de Educação. “Encontraremos a melhor forma com o novo normal e novas ferramentas.”

Outros planos da nova gestão

Além das referidas ações para as áreas da Saúde, Educação e Segurança, o governo de Zaffalon e Dr. Levi almeja colocar em prática outras ideias apresentadas durante a campanha eleitoral. Nesse sentido, preservar a política de gestão fiscal também será prioridade. “Manter as contas sob controle, honrar os compromissos, gastar somente o que cabe no orçamento e garantir recursos para investimento em infraestrutura, em todas as áreas, ou seja, vamos dar continuidade às ações do governo de Marco Alba, avançando em questões pontuais.” Repensar algumas políticas públicas na área da Saúde também está no planejamento do futuro prefeito, considerando os desafios trazidos pela pandemia.

Na Educação, além de ampliar as vagas em instituições infantis, o objetivo é iniciar a implantação do turno integral no ensino fundamental e melhorar o rendimento dos alunos através de ferramentas modernas e uso de tecnologias. Segundo o eleito, para a Agricultura, a intenção é qualificar a produção de alimentos, mediante a oferta de orientação técnica e parcerias com órgãos estratégicos, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Instalação de mais câmeras para colaborar para a segurança na cidade é outro objetivo.

*Reportagem publicada na Revista Evidência deste mês.