Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini

Depois de uma reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e outros governadores, Eduardo Leite fez uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, na terça-feira (8/12), para esclarecer questões acerca do processo de vacinação contra o coronavírus no Estado. Embora tenha manifestado confiança no processo de aquisição e de distribuição das doses pelo Ministério da Saúde, o governador anunciou que iniciou uma negociação diretamente com Instituto Butantan, na qual foi manifestado interesse na aquisição de vacinas para os profissionais de saúde do Rio Grande do Sul.

Na transmissão, Leite resumiu os detalhes apresentados por Pazuello durante a reunião. Por parte do Governo Federal, há um memorando de entendimento com a vacina da AstraZeneca/Oxford, cujo contrato prevê a disponibilização de 100 milhões de doses para o Brasil no primeiro semestre de 2021 (15 milhões em janeiro, 15 milhões em fevereiro e assim sucessivamente, até o final do semestre), ao custo de US$ 3,75 por dose. “Tudo isso sendo feito com a transferência de insumos para a Fiocruz, que terá a capacidade de produzir, no segundo semestre, 160 milhões de doses da vacina”, explicou o governador. Uma vez que a imunização demanda duas doses, estima-se que haja, nesta leva, vacinas suficientes para 80 milhões de brasileiros, de acordo com os grupos prioritários já definidos pelo Ministério da Saúde.

Além disso, o Brasil faz parte de um consórcio entre países, com participação da Organização Mundial da Saúde (OMS), a Covax Facility, que reúne nove farmacêuticas. O Ministério da Saúde também tem um memorando de entendimento por meio da adesão ao processo de desenvolvimento da vacina que prevê a aquisição de outras 42 milhões de doses. Para que qualquer uma das vacinas seja aplicada na população brasileira, é preciso o registro e aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Embora ainda não haja uma data definida para a chegada das primeiras doses de uma vacina contra a Covid-19, a Secretaria da Saúde está preparando um plano de vacinação que prevê o fluxo desde o laboratório produtor até a sala de vacinas.

Fonte: Governo do Estado do RS