Equipe foi formada na colônia japonesa. Foto: Divulgação

Modalidade esportiva semelhante ao beisebol, o softbol vem se popularizando no Brasil. Equipes masculinas e femininas vem despontando nas competições e o Rio Grande do Sul se destaca pela formação de atletas, principalmente, arremessadores. A Aldeia é um dos lugares que conta com incentivadores da prática desse esporte. O time Gravataí Dragons, fundado pelos irmãos Nobuyuki, Kazumi, Yasuo e Yoshio Miyazaki e alguns amigos, também da colônia japonesa na cidade, tem mais de 50 anos de história e vem representando muito bem o município em torneios.

Modalidade esportiva é parecida com o beisebol. Foto: Divulgação

A equipe amadora tem conquistado ótimos resultados em campeonatos nos últimos anos. Recentemente, os jogadores ficaram em terceiro lugar, na categoria A do Brasileirão Interclubes, realizado em Londrina, no Paraná. Além disso, foram bi-campeões do torneio estadual Enkyosul Misto. A Família Miyazaki continua se esforçando para que essa modalidade mantenha seu espaço. Nobuyuki, sua filha Satomi e os sobrinhos Kazuto e Shinichi estão entre os japoneses e descendentes engajados no desenvolvimento do esporte. Antigamente, as disputas de beisebol e softbol eram realizadas entre as colônias japonesas do estado. Por esta razão, os nomes das equipes eram identificados de acordo com a colônia que as representavam. Podiam jogar apenas japoneses, descendentes ou cônjuges. No entanto, hoje, mais da metade da equipe é formada por brasileiros e estrangeiros. E, com o objetivo de registrar essa nova fase, e manter os mesmos princípios de sabedoria, força e poder, em 2013, a equipe alterou seu nome para Gravataí Dragons Softbol”, conta Satomi, que é assistente de Perícia Trabalhista.

O time é treinado, atualmente, pelo atleta Rodrigo Terada, um dos primeiros gaúchos a integrar a Seleção Brasileira Masculina de Softbol. O grupo conta com jogadores entre 19 e 50 anos, que se reúnem todo sábado à tarde, na Sede Campestre do Enkyosul, situada na Costa do Ipiranga. “Dependendo do final de semana, marcamos treino aos domingos também”, revela a filha de Nobuyuki. O Gravataí Dragons pensa em criar uma equipe feminina, porém, para isso, será necessário que mais mulheres se interessem pelo esporte. “Neste ano, conseguimos juntar as meninas de todas as equipes e realizamos um jogo amistoso contra os veteranos”, comenta Satomi. Outro objetivo é trabalhar com a categoria de base, ou seja, preparar as crianças para que deem continuidade à prática esportiva. No perfil da equipe, no Facebook, é possível acompanhar os desafios e resultados dos jogadores. A colônia japonesa, que comemora 60 anos em 2020, também se dedica ao gateball, jogo parecido com o críquete, e promove anualmente uma gincana esportiva, denominada Undoukai.

Comparativo

Softbol e beisebol têm aspectos semelhantes. Basicamente, o que muda:

– O tamanho da bola (no softbol é maior);

– As dimensões do campo: no softbol a distância entre as bases é menor;

– O arremesso: enquanto no beisebol, o arremesso é feito por cima, no softbol é por baixo;

– Nos Jogos Olímpicos: o beisebol é praticado por homens e softbol por mulheres.

*Essa é uma das matérias em destaque na Revista Evidência de novembro. Confira a edição completa, em sua versão impressa ou online!