Imagem ilustrativa/Freepik-Lifeforstock

Em reunião on-line, organizada pelo prefeito Luiz Zaffalon, na tarde de terça-feira (16/3), líderes empresariais e de classe e autoridades avaliaram medidas restritivas que podem ser adotadas para conter o avanço da doença. Em Gravataí, já são 432 pessoas que morreram vítimas da Covid-19. Em princípio, foi descartada a possibilidade de um “lockdown”, o que implicaria no fechamento de todos os setores. É consenso, no entanto, que deve haver um esforço maior de comunicação no sentido de sensibilizar as pessoas para cuidados preventivos, especialmente evitando as aglomerações.

“Estamos aqui para compartilhar pontos de vista sobre esse momento difícil que vivemos. É complicado decidir tudo sozinho, sobre o que estamos fazendo e para onde estamos indo, e este coletivo pode pensar de forma mais ampla”, explicou o prefeito. Conforme Zaffalon, a informação que a Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal) tem é de que a possibilidade de aquisição de vacinas pelas cidades pode demorar, ocorrendo só a partir de setembro.

Ideia para conscientizar as famílias

Na reunião, a juíza Valéria Willhelm, da 1ª Vara Criminal e diretora do Fórum de Gravataí, apresentou uma sugestão de estratégia voltada à sensibilização das famílias, partindo da conscientização das crianças. “Minha proposta é uma campanha forte junto à população, ‘Gravataí unida pela vida’, em especial junto às crianças. Não temos solução, mas temos previsão de que esse vírus vai continuar”, ponderou.

Fonte: Prefeitura de Gravataí