Foto: Arquivo Pessoal

A luta por direitos iguais e mais segurança. A luta por oportunidades e pela felicidade, própria e, principalmente, dos filhos e demais familiares. A luta por uma vida plena. Tudo isso faz parte do cotidiano das mulheres. Em consequência, tudo isso faz delas lutadoras, fortes, perseverantes. Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, a Evidência apresenta uma série de matérias com algumas profissionais de Gravataí que, através de suas trajetórias e atuação, mostram o quão grande é a garra da população feminina, que enfrenta desafios diariamente, mas procura não perder a sensibilidade perante os acontecimentos, tampouco se conforma com as injustiças. Apresentamos exemplos de amor pelo próximo, de persistência, de fé e confiança no futuro.

A médica oftalmologista Patrícia Barreto Vianna Skolaude (49) encontrou na mãe, Maria Helena (in memoriam), uma grande inspiração. “Ela era professora e bibliotecária. Sempre me estimulou a ler e estudar, e sempre deixou claro que eu poderia ser o quisesse na vida. Tudo dependeria do meu esforço e dedicação.” Com esses ensinamentos, a especialista trilhou o percurso até aqui, ciente de que toda mulher enfrenta muitos desafios, mas também tem muitas alegrias. “Por um lado, a mulher de hoje tem mais sorte que as de antigamente, profissionalmente falando. Antigamente, o papel era restrito ao lar. Minhas avós foram criadas para serem donas de casa. Nem cogitaram ter uma profissão. Em algumas culturas, mulheres que estudavam ou trabalhavam eram até mal vistas. Hoje podemos estudar e trabalhar – com algumas absurdas exceções, geralmente culturais. Porém isso gera o desafio de saber equilibrar o lado profissional com o familiar”, ressalta.

Na opinião da Dra. Patrícia, o que se percebe é que com o tempo aumentaram as “exigências” em relação à população feminina. “Precisamos ser excelentes profissionais, mães, esposas, donas de casa, babás, motoristas, etc. E ainda cuidar do corpo, maquiagem, cabelos e unhas (risos). Não é fácil!” Apesar das “cobranças”, por vezes desmedidas e desanimadoras, a recomendação da oftalmologista é que as mulheres não desistam dos sonhos. Pelo contrário: organizem-se para realizá-los. “Estudem! Preparem-se para o mercado de trabalho! Mas lutem por suas famílias também!”