Os três policiais civis que mataram o sargento Ariel da Silva tiveram a prisão temporária decretada pela Justiça.

Os policiais civis paranaenses, ligados ao grupo de elite Tigre, afirmam que investigavam um sequestro cujo cativeiro é em Gravataí. Eles estavam hospedados num hotel no centro da capital gaúcha e inclusive tinham prestado depoimento a respeito do episódio. Depois, foram para o Paraná. Com a decretação da prisão, devem ser encarcerados em Curitiba, onde ficariam à disposição da justiça gaúcha. A confirmação é do Departamento de Polícia Civil do Paraná.

A prisão temporária dos policiais teria sido decretada por dois motivos: eles agiram de forma temerária, fora de sua jurisdição e sem informar os colegas gaúchos. E também pela abordagem desastrosa, independente de quem tenha atirado primeiro.

Outra ação na cidade

No início da tarde de hoje (21/12), policiais civis e militares gaúchos, acompanhados de outro grupo de policiais paranaenses ligados ao Tigre, invadiram um cativeiro em Gravataí e teriam libertado dois empresários sequestrados. Um dos reféns foi baleado na ação.

Fonte: Zero Hora

Créditos Destaque: Reprodução / TV Record / CP