Mesmo sem conseguir anular questões do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) na Justiça, o Ministério Público Federal no Ceará voltou a pedir que 14 perguntas da prova sejam suspensas em todo o território nacional. E solicitou à Polícia Federal que integrantes do MEC (Ministério da Educação) sejam investigados.

Em ofício encaminhado ontem (06/12) ao Inep (instituto do MEC responsável pelo exame), a Procuradoria diz que o vazamento das questões pode não ter ocorrido só para alunos do colégio Christus, de Fortaleza.

O MEC conseguiu na Justiça Federal anular as questões apenas para estudantes do ensino médio do colégio, que receberam simulado com as mesmas perguntas dias antes da aplicação do Enem. O colégio sediou um pré-teste no ano passado, e a Polícia Federal investiga se alguém copiou os cadernos de provas.

Para a Procuradoria, porém, "a probabilidade de 14 itens de um banco de 6.000 se repetirem aleatoriamente de um ano para o outro é de 0,2%". Por isso, o vazamento pode ter ocorrido por parte de pessoas do MEC e do Inep que tinham acesso privilegiado às questões que cairiam no Enem.

A Procuradoria quer que a Polícia Federal convoque para depoimento servidores que têm acesso ao banco de questões. A presidente do Inep, Malvina Tuttman, tem um prazo de dez dias para responder à solicitação.

A assessoria de imprensa do MEC disse que o Inep ainda não recebeu o documento e que até agora mantém a posição de que só alunos do Christus devem ter as questões anuladas.

Fonte: Folha Online

Créditos Destaque: not1.com.br