Claudio Fonseca assumiu a presidência do Paladino em julho. Foto: Arquivo Pessoal

No início de julho, foi empossada a nova diretoria do Paladino Tênis Clube. O administrador Claudio Luiz Soares da Fonseca (74) assumiu a presidência da instituição, fundada há 93 anos. Sua relação com a entidade vem da infância, quando tinha como tradição acompanhar os jogos de futebol realizados aos domingos no local. Entre 1997 e 2001, ocupou várias vezes a vice-presidência do Paladino. Em 2002, foi eleito presidente e permaneceu à frente da gestão até 2006. Quatro anos depois, voltou a assumir o cargo, sendo reeleito em 2012.

Claudio é casado com Solange Terezinha Ferreira da Fonseca (66) e tem duas filhas, Claudia (36) e Ana Maria (32). Na trajetória profissional, trabalhou, por 18 anos, na Companhia Riograndense de Telecomunicações (CRT), onde foi gerente de loja e chefe de distrito. Após a aposentadoria, no ano 2000, atuou, durante sete anos, como superintendente executivo na Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Gravataí (Acigra). Atualmente, dedica-se à área de seguros.

Atual situação e expectativas

Na edição de setembro, publicamos uma entrevista com Claudio, que falou dos planos para a gestão, que comandará até 2022. A diretoria é formada, ainda, pelos vice-presidentes Alceu Ribeiro dos Santos (Administrativo/Financeiro), Sergio Tadeu Pereira (Social) e Luiz Carlos Boeira Farias (Esportes).

– O senhor assume a presidência do clube em um momento atípico, por causa da pandemia de Covid-19. Quais suas perspectivas para a gestão, considerando este novo cenário trazido pelo coronavírus?

“Jamais imaginávamos que um dia viveríamos uma pandemia dessa ordem, como a da Covid-19, que nos levou inclusive a realizar uma eleição sui generis. Em 23 de junho, realizamos o pleito, em que o conselheiro chegava, votava e se retirava. Tudo feito com muita objetividade para evitar aglomeração, seguindo expressamente as determinações de segurança e higiene determinadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). No final, somente dois eleitos e a comissão apuradora fizeram a foto, cada um com sua máscara, registrando o momento que ficará marcado na história do clube e registrado para as futuras gerações.”

– Qual é a atual situação do Paladino, baseando-se no quadro associativo, finanças, obras e/ou reformas? É possível mensurar os prejuízos provocados pela pandemia à instituição?

“Estando o clube fechado para qualquer atividade, atendendo às determinações de decretos municipais, o associado ficou isento de suas obrigações financeiras, no que se refere à taxa de manutenção, até que possamos voltar à normalidade. Obviamente que isso reflete financeiramente no dia a dia da entidade, mas se faz necessário frente ao momento que todos passamos.”

– Quais serão as prioridades da nova diretoria?

“Temos algumas ações a tomar já de imediato, mesmo perdendo a receita referente ao quadro associativo. A principal delas é a recuperação do piso do ginásio esportivo. Vamos aproveitar que o local não está sendo utilizado para realizar a melhoria. No mais, o projeto detalhado das ações ficará para quando pudermos reunir a diretoria, para, então, tratarmos as diretrizes no que tange a maiores investimentos, frisando que isso não impede de trabalharmos em cima de demandas menores.”

– Frente à liberação de atividades, o que mudará no atendimento e serviços oferecidos pelo clube?

“Seguiremos sempre as determinações dos órgãos competentes. De momento, nossos associados estão podendo utilizar as quadras de tênis para jogos simples, observando os critérios de distanciamento e higiene. Da mesma forma, nossa Secretaria está em funcionamento para resolução de assuntos administrativos (das 9h às 12h e das 13h40min às 17h, de segunda a sexta-feira – horário especial devido à pandemia), com restrição de número de pessoas, uso obrigatório de máscara e disponibilização de álcool em gel. Também, ao chegar no clube, a temperatura de todos é medida por um funcionário através de termômetro infravermelho. Tão logo se reestabeleça a rotina, aprovaremos novos projetos e criaremos um cronograma para atender às melhorias em nossas atividades, tanto sociais quanto esportivas.”

– Embora o funcionamento do Paladino esteja atrelado às mudanças nos decretos durante a pandemia, os novos gestores trabalham com um provável calendário de atividades?

“Estamos com nosso calendário em aberto, tendo somente a previsão da abertura das piscinas para 15 de novembro, data ainda a ser confirmada, dependendo da realidade do momento.”