Froner realiza adestramentos de cães há dez anos. Foto: Arquivo Pessoal

Você ama o seu cão, mas não consegue controlá-lo e fazer com que obedeça? Às vezes, ele faz uma bagunça em casa e destrói suas coisas? Muita gente passa por isso, porém o adestramento é capaz de reverter a situação. O proprietário, no entanto, também precisa fazer a sua parte. É o que explica o adestrador canino Ângelo Luiz Froner Junior. Natural de Porto Alegre e residente em São Gabriel por muitos anos, o profissional mudou-se para Gravataí há dez anos, quando ingressou na Polícia Militar. Desde então, vem se especializando na área. Atualmente, ministra cursos e integra a Associação Brasileira de Adestramento.

A experiência no treinamento de cães faz de Froner uma referência não só na região. Ele já promoveu capacitações na Argentina e no Uruguai. Ao longo da formação, o profissional investiu em cursos sobre a Psicologia Canina, que lhe permitiram compreender melhor o comportamento dos animais e criar estratégias para modificar a postura deles, conforme o objetivo do dono. Segundo o treinador, o princípio do adestramento é colocar em prática os comandos básicos, que vão auxiliar no controle da ansiedade do cachorro. “Esses comandos são utilizados na rotina diária. São eles: andar junto, senta, deita, fica, aqui e não. Com isso, o cão para de pular, mordiscar, comer os chinelos, pular nas pessoas”, destaca. Somado a esses benefícios, está o fato de que um pet mais calmo consegue socializar melhor, tornando a convivência e os passeios tranquilos.

Foto: Arquivo Pessoal

De acordo com o porto-alegrense, em três semanas é possível que um cachorro seja adestrado para atender aos comandos básicos. As aulas acontecem no ambiente em que vive o cachorro. Ele ressalta que o proprietário participa de todo o processo, acompanhando a evolução do cão e, principalmente, ficando atento para que a própria postura não interfira no sucesso do treinamento. “Hoje em dia, o perfil de muitos clientes é tratar o pet como um filho. Sempre indico que não deixem de amá-los, mas evitem tratar, tantas vezes, como se fossem humanos. É preciso mudar alguns costumes para que o tempo com adestramento não seja perdido”, comenta.

Outra dica de Froner é que as pessoas que lidam com cães transmitam a eles serenidade. “Se estiver irritado, procure não ter muito contato com o cachorro, pois ele sente”, frisa, acrescentando que tranquilidade e paciência são fundamentais para manter a matilha em harmonia. O adestrador alega que a parte mais gratificante do seu trabalho é ver o resultado a cada aula, perceber as diferenças no comportamento do cão. Alguns animais são mais resistentes aos ensinamentos, porém com dedicação é possível fazer com que respondam aos comandos.