As Prefeituras de Gravataí, Cachoeirinha e Porto Alegre debateram na última quarta-feira (30/05), as mudanças operacionais do Aterro Sanitário Santa Tecla – localizado na Costa do Ipiranga -; o plano de recuperação de áreas degradadas e as alternativas para a destinação do lixo domiciliar produzido nas cidades.

Na ocasião, o secretário municipal de Serviços Urbanos de Gravataí (SMSU), Pedro Bisch Neto, apresentou um relatório com a quantidade e o percentual de resíduos depositados por cada um dos municípios, desde o início do consórcio no Aterro. Porto Alegre é responsável por 50% do lixo depositado, seguido de Gravataí, com 28%, Cachoeirinha, com 13% e Esteio com o equivalente a 8%.

“O aterro hoje funciona bem, mas temos essa determinação judicial para encerrá-lo. O Governo está elaborando um Plano de Recuperação de Áreas Degradas (Prad), com acompanhamento do Ministério Público. E por isso estamos conversando com os municípios vizinhos, que por mais de 10 anos se utilizaram daquele local, para juntos realizarmos as mudanças necessárias nas atividades operacionais, com posteriores serviços de monitoramento da área, garantindo a recuperação do terreno e o abatimento total dos passivos ambientais”, ressaltou.

O diretor da Divisão de Destino Final, do Departamento Municipal de Limpeza Urbana de Porto Alegre, engenheiro Arceu Rodrigues, sinalizou para uma possível parceria para utilização de um transbordo para o transporte do lixo a outro município e citou o projeto da Capital para tratamento de resíduos de parte da cidade em uma usina de lixo. “A questão deve ser encarada como uma demanda ambiental, de saneamento e até mesmo de saúde”, avaliou.

Recuperação de Áreas Degradadas

O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (Prad) será desenvolvido pela Prefeitura de Gravataí e posteriormente apresentado para conhecimento da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal), a fim de que todas as cidades que depositaram o lixo no aterro se comprometam com o mesmo. Também para esta etapa continuará a formação do consórcio integrado, inicialmente, pelos três municípios de Gravataí, Cachoeirinha e Esteio.

O Prad tem como principais atividades que consolidam um plano de reabilitação ou recuperação de área degradada podem ser sumarizadas da seguinte forma:

• Caracterização e avaliação da degradação ambiental;

• Definição dos objetivos e análise das alternativas de recuperação;
• Definição e implementação das medidas de recuperação: revegetação (estabilização biológica), geotécnica (estabilização física), e remediação ou tratamento (estabilização química);

• Proposições para monitoramento e manutenção das medidas corretivas implementadas.

Fonte: Secom

Créditos destaque: PGM/Gravataí