Foto: Henrique Amaral - Aero Studio

O anúncio da Ford de que deixaria o Brasil teve grande repercussão e, posteriormente, surgiram boatos de que Gravataí perderia a GM. Mas essa não é a intenção da empresa, segundo a Prefeitura. Em reunião virtual com a vice-presidente de Relações Governamentais e Comunicação da General Motors América do Sul, Marina Willisch, a diretora de Assuntos Institucionais, Daniela Kraemer, e o diretor de Relações Governamentais para América do Sul, Adriano Barros, o prefeito Luiz Zaffalon abordou o assunto. “Temos uma das plantas mais produtivas e modernas do mundo, tendo os carros campeões de venda por seis anos consecutivos. Por estes motivos, a vice-presidente Marina me garantiu que não existe o menor risco da GM deixar a cidade”, afirma o chefe do Executivo.

Marina destacou que, neste momento, há uma parada na produção da planta da GM devido à falta mundial de semicondutores. Ela ainda relatou que até 2030 a GM terá, no mínimo, 30 modelos de veículos elétricos em sua linha, ou seja, está em permanente evolução e pronta para os novos tempos. Sobre economia, a vice-presidente destacou que existe uma grande preocupação com o Custo Brasil. “Ela pediu o nosso apoio para tratar sempre que possível desta pauta e do futuro da mobilidade. O Brasil não pode ficar para trás nestes temas vitais e hoje amplamente discutidos no mundo”, comenta Zaffalon.

Fonte: Prefeitura de Gravataí