Em 2001, Carlos Adenir Holz ingressou nos Correios como funcionário e almejava cargos maiores. No entanto, em 2004, o homem de 41 anos teve que ser afastado devido à dependência das drogas. Como ele, no ano passado, 3.748 trabalhadores gaúchos trocaram o serviço pelo uso de entorpecentes. Número quase três vezes maior do que o de 2006, que indicava 1.343 afastamentos. Isso representa um acréscimo de 179% na concessão de auxílios-doença pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

E esses não são números exclusivos do estado. No Brasil, neste mesmo período, o número também triplicou. Em 2012, mais de 31 mil dependentes químicos recorreram ao INSS para receber o valor médio de R$ 965 mensais. De 2004 a 2008, Holz chegou a dar palestras de prevenção ao uso de drogas, mas há mais de dois anos, depende do auxílio-doença e já foi paciente de diversas clínicas de desintoxicação. Nos últimos meses, está se tratando na Comunidade Terapêutica Acolher, de Gravataí.

Fonte: Zero Hora

Créditos destaque: Fernando Gomes / Agência RBS