Foto: Arquivo Pessoal

Os olhos brilhando, os sorrisos nos rostos e, em alguns momentos, as lágrimas, mas não de tristeza e, sim, de emoção. Essas foram algumas das reações dos hóspedes do Residencial Geriátrico Itacolomi no dia em que a instituição apresentou vídeos gravados por artistas para o projeto Me pede que eu canto. A iniciativa, que está famosa em todo o Brasil, tem levado alegria para muitos idosos, presenteados com uma de suas canções prediletas, interpretada por cantores e cantoras de diferentes regiões. Nesse lar gravataiense, administrado pelo médico Roberto Nhuch e a esposa, Patrícia, não foram os moradores que pediram as músicas, mas seus familiares, com o intuito de surpreendê-los.

A homenagem aos idosos foi realizada em setembro, cerca de dois meses após a inscrição no projeto. Patrícia explica que, desde o início da pandemia de coronavírus e a consequente suspensão de visitas, a equipe tem procurado promover atividades que amenizem a falta que as confraternizações com familiares estão fazendo para os hóspedes. Há alguns meses, por exemplo, eles implantaram o Cantinho do Abraço Seguro, através do qual um contato rápido, em conformidade com os protocolos estabelecidos para a higienização e prevenção à doença, é permitido. Para fazer uma surpresa a cada residente, o asilo pediu aos parentes a indicação das músicas favoritas. Elaborada a lista, a solicitação foi encaminhada por e-mail.

Quando a instituição soube que seria contemplada, organizou uma tarde para exibição dos vídeos. As gravações foram apresentadas na TV da sala para que todos pudessem acompanhar cada uma das homenagens. “Foi muito emocionante. Antes da música, cada artista fazia uma dedicatória, mesmo não conhecendo, era possível ver o carinho com o idoso”, comenta Patrícia. Dona Olga Maria Falkmann Niederauer (71) não conteve a emoção quando ouviu a cantora Chris Dantas interpretar Como é grande o meu amor por você, de Roberto Carlos. “Foi muito bonito. Recebi com amor e carinho”, frisa. A mesma canção foi dedicada à Maria Vilma Gross da Silva (86), que ficou muito feliz com outra coincidência: a música foi interpretada por uma artista com o mesmo nome da neta que indicou sua composição predileta (Adriana). Conforme a coordenadora do Residencial Itacolomi, ações semelhantes continuarão sendo desenvolvidas com os idosos, pois são imprescindíveis para evitar quadros de tristeza e depressão resultantes da nova rotina trazida pela quarentena.

*Matéria publicada na Revista Evidência deste mês.