Os problemas de mobilidade urbana no trânsito não são privilégio dos gravataienses, mas a morosidade do poder público municipal para atender as mínimas necessidades de trafegabilidade está evidente.

Quase todos os dias acontecem acidentes, ou a iminência deles, no cruzamento da avenida Adolfo Inácio Barcelos com a rua Manoel Rubens da Fonseca, um dos trechos mais perigosos do centro da cidade. Os pedestres têm dificuldades para atravessar a avenida e o local está sendo denominado pelos transeuntes como “roleta russa”.

Soluções simples e pontuais para esse caso, como a instalação de um semáforo e um redutor de velocidade para os veículos que vêm do Parque dos Anjos, ajudariam. Também está claro que a travessia dos carros da Manoel Rubens da Fonseca para a Adolfo – sentido Parque – deveria ser proibido.

Há diversos outros exemplos, como a estrada Vânius Abílio dos Santos, abandonada com suas crateras, obrigando os motoristas a manobras difíceis e muitas vezes perigosas.

Os casos citados mostram a ineficiência da Secretaria de Mobilidade Urbana do município. Aparentemente, a sensibilização só resultará em ação após um acidente grave. O que é lamentável.

Na última sexta-feira, por exemplo, por volta das 8h50min, uma batida entre dois veículos na Adolfo Inácio Barcelos, felizmente sem registro de feridos, mostrou mais uma vez os problemas da região.

Contraponto

O Secretário de Mobilidade Urbana da Prefeitura de Gravataí, Adão Castro Junior, declarou que um projeto de revitalização das vias do centro da cidade deve ser executado ainda este ano. O projeto, que inclui a Rua Adolfo Inácio Barcelos, prevê a adequação e padronização da sinalização viária da cidade, como pintura no solo e placas sinalizadoras. Ele disse, também, que até o momento não está prevista a instalação de uma sinaleira na esquina da “roleta russa”. 

Créditos destaque: Revista Evidência