Os Irmãos Latroni colecionam troféus e são referência na chula. Foto: Arquivo Pessoal
Aula de chula. Foto: Arquivo Pessoal

O talento dos Irmãos Latroni já rendeu convites para várias apresentações, em eventos e programas de televisão. Isso porque Adrian (20), Artur (15) e Adalberto Jr. (10) dão um show nos tablados com suas performances na chula. Atualmente, eles representam o Aldeia dos Anjos e colecionam troféus. Os pais, Adalberto Latroni (40) e Elisane Machado, se identificavam com o movimento tradicionalista e colocaram o filho mais velho em um CTG quando ele ainda era criança. Para participar de um concurso, o menino resolveu aprender a dançar chula. A experiência serviu de motivação. Com o apoio da família, o estudante buscou especialização. Alguns anos depois, começaram as conquistas. Premiações e homenagens culminaram com o convite, em 2013, para representar o Aldeia em rodeios e festivais.

Os irmãos representam o CTG Aldeia dos Anjos. Foto: Arquivo Pessoal

A habilidade e sucesso do irmão, motivou Artur a seguir os mesmos passos. E depois, o mesmo ocorreu com o caçula, carinhosamente chamado de Ninho. A primeira apresentação dos três juntos ocorreu em 2016 para um documentário sobre as tradições gaúchas, produzido pelo jornalista Tom Brokaw, dos Estados Unidos. Hoje, eles conciliam a participação individual em competições com as apresentações em grupo. A chula é uma modalidade que exige muita dedicação e ensaio. “É muito mais do que sapatear. Requer muita disciplina, concentração, persistência”, frisa Adalberto. Às vezes, um tombo pode ser frustrante, porém não deve desanimar e tirar o foco.

Por causa do empenho, a casa está ficando pequena para tantos troféus dos Irmãos Latroni! Todos já obtiveram conquistas importantes. Adrian, por exemplo, foi vice-campeão nacional da categoria juvenil do Fegart, venceu vários rodeios e foi finalista do Enart seis vezes, entre 2014 e 2019. Artur ganhou prêmios em vários eventos, assim como o irmão mais novo. Adrian é professor de chula e planeja continuar levando essa cultura a outras pessoas. “O objetivo é seguir difundindo informações sobre a chula pelo nosso estado e fora, sempre defendendo nossa maneira de pensar e compreender a dança, pois entendemos que o sol nasce para todos, basta cada um buscar sua própria luz.”