A 37ª Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul voltará a ser realizada onde tudo começou em 1971, no antigo Cine Pampa, hoje Teatro Rosalina Pandolfo Lisboa, com capacidade para 1200 pessoas. O tradicional festival de música nativista, que teve a sua última edição em 2009, terá início nesta quinta-feira (5) em Uruguaiana, na Fronteira Oeste do Estado.

O show de abertura será com o gaiteiro Renato Borghetti, após a solenidade inicial. Já, na sexta-feira (6), quem abre o festival é o cantor e compositor Bebeto Alves. Logo após a apresentação das seis canções eliminatórias, sobe ao palco o conjunto vocal feminino Mulheres Pampeanas. 

No sábado (7), a abertura contará com o show do grupo musical Tambo do Bando. Formado em 1986 por artistas da cena nativista, revolucionou a música gaúcha ao unir sonoridade e linguagens universais à temática nativista. Após a apresentação das seis canções eliminatórias, o show será do Buenas e M'espalho – grupo nativista que recebeu em 2009 o prêmio Melhor CD Original no Prêmio Açorianos de Música com o CD A Bombacha da Modernidade.

No domingo (8), após a apresentação das 12 canções classificadas, o show de encerramento será com o grupo Memorial Terra que Canta. O espetáculo de arte folclórica é um encontro de artistas gaúchos: poetas, músicos, cantores e artistas plásticos que buscam harmonizar poesia regional – musicada ou não – com outras expressões da arte do sul do Brasil, tais como desenho, pintura, fotografia e escultura, baseadas na interpretação do universo do homem rural.

As 18 canções selecionadas para a edição de 2010, que não ocorreu, serão apresentadas ao público. Ao longo das três primeiras noites, seis canções serão executadas a cada dia do evento, sendo classificadas quatro. As 12 finalistas disputam o Troféu Calhandra de Ouro no domingo, (8). O símbolo do evento é o pássaro Callandra que imita o canto de outras espécies e não admite cativeiros. O nome Califórnia vem do grego e significa conjunto de coisas belas.

Estreia do filme “Mais uma Canção”

A estreia do filme “Mais uma Canção” sobre o compositor uruguaiense Bebeto Alves será uma das atrações da programação paralela da 37ª Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul. O lançamento será nesta quarta-feira (4) no Sesc de Uruguaiana, às 19h. As sessões acontecerão na quinta e sexta-feira, às 19h, e no sábado, às 18h.

O documentário desenvolve-se a partir da busca de Bebeto Alves pelo conceito de uma música que rompe limites geográficos e estéticos. Em viagem pela Península Ibérica – na região da Andaluzia, em Portugal, e pelo Norte da África, o artista entra em contato com as raízes da milonga. Porto Alegre, Uruguaiana (cidade natal) e Rio de Janeiro também serviram de locações para o documentário, filmado ao longo de três anos. 

O filme traz depoimentos de nomes como André Midani, Zuza Homem de Mello, Antonio Villeroy, Nelson Coelho de Castro, Juarez Fonseca, Carlos Alberto Sion, Vitor Ramil, Humberto Gessinger, entre outras referências da cena musical.

Na sexta-feira acontece o show Bebeto Alves Y Los Blackbagualnegoveio, que lança o disco Milonga Orientão. É um show somente de milongas como o artista jamais fez, incluindo várias canções dos discos gravados sobre ele e a obra de Mauro Moraes.

Mais atrações

De 5 a 8, no palco central da Praça Barão do Rio Branco, acontecerão apresentações de danças folclóricas, cantos nativistas e mostras de etnias das 18h às 21h. Além da exposição Museu do Piá. Na Biblioteca Pública e Escola Livre de Belas Artes acontecerão oficinas de música, literatura e artes plásticas.

Memorial dos Festivais

Um encontro musicado, para cantar e relembrar músicas que fizeram parte da história de mais de 40 anos de festivais do Rio Grande do Sul e do Brasil, será apresentado no Show “Memorial dos Festivais 2ª Edição – Encontros Musicados”. O espetáculo ocorrerá no domingo a partir das 18h30, no Teatro Municipal Rosalina Pandolfo Lisboa, antes da etapa final do festival.

A direção artística e musical é de Juarez Fonseca e a interpretação dos Sperandires e Chico Saratt. Na sua segunda temporada, o projeto Memorial dos Festivais usa recursos visuais e sonoros para contar e relembrar como foram os mais de 40 anos dos eventos musicais que ajudaram a construir a identidade artística e cultural do Rio Grande do Sul.

Adquira seu ingresso

Os ingressos permanentes (passagem para os quatros dias do evento) ainda estão sendo comercializados no escritório da Califórnia da Canção Nativa, na Esplanada da Estação, sala 12, no horário das 8h30min às 12h e das 14h às 18h. Reservas também podem ser feitas pelo telefone 55 3411-7080 e serão garantidas por dois dias.

Os ingressos permanentes têm valores diferenciados, conforme a proximidade com o palco. No Setor Timbaúva (lugares numerados) o valor é de R$ 100,00. No Setor Lago (lugares numerados) o valor é de R$ 75,00 e no Setor Floresta (ocupação por ordem de chegada) o valor é de R$ 50,00.

O evento é organizado pelo CTG Sinuelo do Pago e Fato Singular Projetos Culturais e Eventos, correalização do SESC/RS e apoio da Prefeitura Municipal de Uruguaiana.

Um pouco da história

Pela sua importância e qualidade musical, a 37ª Califórnia da Canção Nativa do Rio Grande do Sul motivou a criação de centenas de festivais em todo o estado do Rio Grande do Sul, como a Coxilha Nativista em Cruz Alta, Ciranda Musical em Taquara, Tertúlia em Santa Maria, Musicanto em Santa Rosa, Carijó da Canção Gaúcha em Palmeira das Missões, Reponte da Canção Crioula em São Lourenço do Sul e Moenda da Canção em Santo Antônio da Patrulha.

A Califórnia da Canção Nativa também influenciou o surgimento de novos programas de rádio e televisão no Estado, como a Rádio Liberdade FM, criada nos anos 80, como primeira emissora de rádio dedicada à cultura gaúcha. O fundador do evento foi o tradicionalista Colmar Duarte.

Fonte: 37ª Califórnia da Canção Nativa

Créditos destaque: Sxc.hu