ARTIGOS

Celebração

Escola Etelvina Silveira Vieira comemora 65 anos
Ser professor é ter responsabilidade e compromisso com a educação. Mesmo em tempos difíceis, é dedicar-se para garantir o aprendizado dos alunos. A equipe da Escola Estadual de Ensino Fundamental Etelvina Silveira Vieira pensa dessa forma e, mesmo com uma estrutura pequena, procura estimular cada vez mais as crianças a buscarem conhecimento. Afinal, como destacou Paulo Freire: “ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.” Este mês, quando celebramos o Dia do Professor (15 de outubro), apresentamos um pouco da história dessa instituição de ensino, que completou 65 anos em 30 de setembro. 
 
A trajetória da Escola Etelvina Silveira Vieira começou em uma pequena sala de aula de Glorinha. Na época, 14 alunos eram atendidos nas séries iniciais. Pouco tempo depois, a sede foi transferida para a Vila Marrocos, onde funciona até hoje, contando com aproximadamente 120 alunos do primeiro ao quinto ano, nos turnos da manhã e tarde, e dez colaboradores, entre professores e funcionários. O nome da instituição homenageia a primeira educadora a trabalhar em uma escola estadual de Morungava. No final de setembro, a comemoração foi em dose dupla no colégio. Além do aniversário, a comunidade escolar brindou a cultura gaúcha. Em alusão aos festejos farroupilhas, foram montados piquetes e realizadas apresentações temáticas. Na ocasião, também ocorreu uma mostra de trabalhos sobre a história da escola. 
 
Segundo a diretora, Maria Elisângela da Silva Justin (37), uma das marcas da instituição de ensino é o grande envolvimento da comunidade nas atividades. As famílias dos estudantes não só frequentam os eventos como auxiliam em campanhas e ações. Elas tiveram papel imprescindível, por exemplo, na luta para manter os dois turnos. O Estado avaliava a possibilidade de encerrar um dos turnos, fazendo com que as crianças fossem encaminhadas para outras escolas na região (Heitor Villa Lobos e Ponche Verde). Houve, todavia, uma mobilização para que a situação fosse reavaliada, o que acabou acontecendo. Após abaixo-assinado e reuniões com a 28ª Coordenadoria Regional de Educação e a administração municipal foram mantidas as atividades. 
 
De acordo com as professoras Andressa Gatino (23) e Maria Isabel Pereira da Silva (52), atualmente, os principais projetos da escola contemplam as áreas de meio ambiente, incentivo à leitura, música e saúde. Através do Programa Saúde na Escola (PSE), os alunos têm acesso a vários serviços. Já obtiveram atendimento odontológico, ganhando kits para a escovação; fizeram testes de visão e ainda vão assistir a palestras. O projeto inclui a abordagem de temas como alimentação saudável, dengue, doenças sexualmente transmissíveis e drogadição, entre outros. 
 
Lições sobre sustentabilidade
O projeto Somos todos Etelvina: juntos pela preservação do meio ambiente e qualidade de vida estimula os alunos a usarem a criatividade e desenvolverem ações focadas em sustentabilidade. Em datas comemorativas, as crianças produzem trabalhos temáticos com materiais reciclados. Uma das ações mais recentes foi a produção de uma horta suspensa. O programa prevê atividades como oficina para produção de sabão e desfile de roupas confeccionadas com material reciclado. A iniciativa foi contemplada, em junho, com o Selo de Compromisso Ambiental, concedido pela Câmara de Vereadores. 
 
A leitura e suas riquezas 
A Escola Etelvina desenvolve o projeto Redescobrindo o prazer da leitura, no qual os estudantes já se dedicaram a atividades como contações de histórias, piquenique literário, varal de poesias e apresentação teatral dos professores inspirada na obra Sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato. A instituição também dispõe de cinco sacolas literárias, nas quais os estudantes podem levar para casa livros e jogos. 
 
Alfabetização musical
Uma vez por semana, a voluntária Patrícia Freitas Gouveia promove aulas de alfabetização musical. O colégio optou por desenvolver a oficina para aproveitar os instrumentos musicais que havia adquirido na época em que realizava o programa Mais Educação. A garotada aprende a tocar instrumentos como violão, flauta e teclado. Aliando o trabalho à preocupação com o meio ambiente, os alunos confeccionaram ainda instrumentos com materiais reciclados. No final do ano, a gurizada vai apresentar um musical sobre o Natal. 
 

comentários (0) faça seu comentário

- nenhum comentário foi encontrado para esta notícia.