ARTIGOS

Esporte

Força, velocidade e muita tática em campo
Um esporte que exige muita força, velocidade, agilidade e capacidade tática. Assim é o futebol americano, modalidade também praticada na cidade, desde a formação do time Gravataí Spartans, no ano passado. Com um nome que faz referência ao Exército Espartano, a equipe mostra que é composta por verdadeiros guerreiros, que admitem terem começado apenas “com a vontade de jogar”, sem muitas pretensões. Contudo, a atividade logo se popularizou e o grupo ganhou novos participantes. De acordo com o presidente do Spartans, Maicon Ribeiro, atualmente 55 pessoas estão envolvidas com o projeto, entre atletas e membros das comissões técnica e administrativa. 
 
Segundo Maicon, a iniciativa de formar um time de futebol americano partiu de um grupo de amigos que se interessava pela modalidade e acompanhava a repercussão do campeonato da National Football League (NFL) no Brasil. Além disso, alguns já tinham participado de outras equipes. O Spartans reúne atletas da Aldeia, Porto Alegre e outros municípios da Região Metropolitana. As primeiras atividades ocorreram no campo da Escola Municipal de Ensino Médio Santa Rita de Cássia. “O fato do campo ser menor que as medidas oficiais não prejudicou, pois no início não tínhamos muitos praticantes. Conforme a popularidade do esporte e do time em nosso município, logo tivemos que procurar um local maior, para que pudéssemos atender todos os atletas e interessados”, conta o jogador. Desde então, a equipe treina em uma empresa privada situada no Parque dos Anjos. “Contamos com uma ótima infraestrutura”, frisa o presidente, acrescentando que os treinos acontecem nas manhãs de domingo, “independente de sol, chuva, frio ou calor”. Os jogadores também treinam às quartas em um espaço alugado. Maicon não revela detalhes, mas indica que o Spartans deve dispor em breve de um centro de treinamento, a partir de uma parceria com uma empresa do Distrito Industrial. 
 
O time de Gravataí participou já no primeiro ano de atividades de uma partida do No Pads Day, em outubro (“No pad” é a categoria na qual não são utilizados equipamentos de proteção). Na ocasião, o time enfrentou o Viamão Reptors, em Parobé. A estreia foi bem sucedida: venceram por 14 a 6. Maicon destaca que o próximo desafio está previsto para o dia 23 de abril, contra a equipe Pelotas Ants. O presidente do Spartans aponta que o objetivo dos atletas é adquirir conhecimento nos amistosos e treinamentos para se tornar no próximo ano uma equipe “full pad” (que utiliza todos os equipamentos). Desta forma, será possível participar do Campeonato Gaúcho de Futebol Americano. O time conta com patrocínio das empresas Crowd Beer, Barbearia Falcão, Loja NutriLife e Pompeu Veículos. Também dispõe de apoio do Arena Bowling Bar e da Academia Bio Equilíbrio.
 
De telespectadores a jogadores
Muitos jogadores do Gravataí Spartans se interessaram pelo esporte a medida que foram compreendendo o objetivo e as regras do futebol americano. Para vários, a intenção de conhecer melhor a modalidade foi consequente dos jogos acompanhados pela televisão. “Depois de assistir à um jogo do Campeonato Brasileiro de Futebol Americano entre São José Istepôs e Cuiabá Arsenal, a vontade de praticar futebol americano aumentou exponencialmente, entretanto, eu achava que não tinha físico para participar de uma equipe. Até que um amigo, treinador de uma equipe do interior do Rio Grande do Sul, me disse que no futebol americano existe espaço para qualquer biotipo, basta ter vontade de praticar e estudar muito o esporte. Semanas depois dessa conversa participei do Try Out do Gravataí Spartans e consegui entrar para essa família incrível”, relata Eduardo Lewandowski. Trajetória semelhante tiveram Laerte Vieira Affeldt e Tales Vargas, que de telespectadores passaram a ser atletas da equipe da Aldeia. 
 
Preparação física
A partir da orientação do preparador físico, os jogadores de futebol americano participam de atividades que envolvem força e resistência, mas há cuidados para evitar lesões. A alimentação também é peça fundamental. “Normalmente, os atletas que ficam nas linhas ofensivas e nas linhas defensivas são mais pesados e precisam de uma alimentação um pouco mais calórica, já que o peso e a força nessas posições são essenciais. Os atletas que recebem passes e correm, são mais leves e têm uma alimentação mais balanceada, pois sua função é de velocidade e muita resistência”, explica Maicon.
 
Comissão Administrativa do Gravataí Spartans
Maicon Ribeiro - Presidente
Rafael Borahel - Vice-presidente
Robertha Knop - Tesoureira
Gabriel Chagas - Secretário
Comissão Técnica:
Patrick Silva - HeadCoach (treinador)
Sérgio Zielinski - Assistente Técnico
Rafael Borahel - Coordenador Ofensivo
Erik Menger - Preparador Físico
 

comentários (0) faça seu comentário

- nenhum comentário foi encontrado para esta notícia.